Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Senai Paraná / Facebook

SENAI do Paraná oferece capacitação técnica e aumenta chances de crescimento profissional na indústria

Atualmente, o SENAI tem 587 unidades fixas e 457 móveis e dispõe ainda de 189 laboratórios de serviços. Presentes em 2.700 municípios, essas unidades oferecem cursos em todos os níveis da educação profissional e tecnológica

Salvar imagemTexto para rádio

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) capacitou mais de 118,5 mil pessoas no Paraná, isso só no ano de 2018. Principal responsável pela formação técnica e profissional, a instituição qualifica jovens e trabalhadores para atuarem na indústria local, que emprega 25,3% da força de trabalho no estado, com 765 mil empregos diretos. 

A educação oferecida pela instituição, que integra o Sistema S ao lado de entidades como o Serviço Social da Indústria (SESI) e Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), é reconhecida internacionalmente. Nas últimas edições da WorldSkills, a maior competição de educação profissional do mundo, estudantes do SENAI conquistaram o 1º e o 2º lugares, em 2015 e 2017, respectivamente. Além disso, a entidade é reconhecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) como uma das principais contribuintes para a educação de qualidade nos países do hemisfério Sul. 

Para Victor Teles, gerente-executivo da Festo Didactics, empresa de treinamento e consultoria do segmento industrial, o método utilizado pelo SESI e SENAI coloca os alunos das instituições passos à frente dos demais para entrar no mercado de trabalho, já que eles são estimulados a aprofundarem seus conhecimentos desde cedo.

“O papel do SESI e do SENAI é fundamental para preparação de mão de obra especializada e diferenciada para indústria, além desse ponto fundamental para o aumento da produtividade e, consequentemente, da competitividade da indústria brasileira no mercado internacional”, afirma.

Além disso, Teles considera que o tipo de ensino oferecido pelo SESI e SENAI representa a única maneira que jovens de baixa renda têm de entrar no mercado de trabalho e terem alguma chance de progredir na vida.“Em inúmeros casos, é a oportunidade da vida dessas crianças e adolescentes que encontram no SESI e no SENAI o nível de ensino que suas famílias jamais poderiam arcar”, completa. 

Qualificação

Morador de Cascavel, Eduardo Benvegnir, 19 anos, é um dos jovens que teve a experiência de passar pelo SENAI. Ele começou um curso técnico em manutenção automotiva com o objetivo de unir o gosto que tinha por carros ao negócio da família. Mas acabou indo muito mais longe: vai representar o Brasil na WorldSkills, na modalidade tecnologia automotiva. A competição vai ocorrer em agosto, na Rússia.

Segundo Eduardo, o curso técnico trouxe mais conhecimento e deu uma turbinada em seu currículo, trazendo mais chances na hora da contratação. “Você chega para trabalhar com uma visão diferente, porque dentro do SENAI a gente tem uma ideia de trabalhar na prática. Você aprende a teoria e trabalha na prática. Faz muita diferença ter um curso técnico quando se está no mercado de trabalho”, reforça.

Por conta dos serviços prestados em todo o país, a eficácia e o modelo educacional rendem elogios de diversos setores da sociedade, como a classe política. Entre deputados e senadores, o Sistema S é visto como algo que precisa ser preservado. 

 “O Sistema S tem feito um trabalho muito bom para o sistema produtivo. Ele contribui com suas políticas de desenvolvimento local, tem também um trabalho muito sério e eu reconheço a importância deles”, afirma o deputado federal EnioVerri (PT/PR).

Atualmente, o SENAI tem 587 unidades fixas e 457 móveis e dispõe ainda de 189 laboratórios de serviços. Presentes em 2.700 municípios, essas unidades oferecem cursos em todos os níveis da educação profissional e tecnológica. No Paraná, o SENAI possui 44 unidades fixas e 44 unidades móveis, que atendem quase 400 municípios. 

Já o SESI, que tem 50 escolas no estado, tem mais de 250 mil matrículas em educação básica e continuada e ações educativas, oferecendo qualificação de qualidade e cidadania para os brasileiros. A instituição conta com 501 escolas, 114 unidades de vida saudável e 553 unidades móveis em todo o Brasil. Além disso, mantém oito centros de inovação, que desenvolvem tecnologias para a segurança e saúde na indústria. Juntas, as duas instituições do Sistema S empregam quase 60 mil pessoas no país.

Profissões na indústria 

As profissões que mais abrem vagas na indústria paranaense são aquelas ligadas à tecnologia. Esse é um dos reflexos da chegada da Indústria 4.0, que traz novas tecnologias para o setor, para que ela se torne mais ágil e mais eficaz na entrega do seu produto.

A gerente-executiva de educação da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Giovana Punhagui, explica que o curso técnico em tecnologia da informação e comunicação também é o mais procurado no SENAI, já que o profissional é considerado fundamental para que a indústria passe por essa evolução. 

“Para que a transformação digital aconteça dentro da empresa, dentro da indústria, um profissional como esse vai fazer bastante diferença. Ele vai fazer a conexão entre a máquina, para fazer análise de dados e para entregar um produto mais eficiente,para melhorar a experiência do consumidor”, relataela.

São mais de 30 cursos técnicos e 80 cursos de curta duração oferecidos pelo SENAI, além das graduações. Os cursos nas áreas da construção civil,metalmecânica, automotiva, vestuário e elétrica também estão entre os mais procurados. 

De acordo com a gerente-executiva do Sistema Fiep, em todos os cursos, o SENAI alinha teoria e prática e representa uma opção para quem procura o primeiro emprego, a construção de uma carreira ou até mesmo para quem busca uma recolocação. “Todos esses aspectos fazem com que a educação do SENAI seja de excelência, para que a gente possa realmente fortalecer a indústria com a mão de obra que estamos formando”, garante.

Em 2017, cerca de 80% dos estudantes que concluíram cursos técnicos foram inseridos no mercado de trabalho já no primeiro ano após a formação. Além disso, um profissional com habilitação técnica pode ter aumento de até 18% na renda média mensal. 
 

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Mais de 118.500 pessoas foram atendidas pelo SENAI do Paraná em 2018. Elas receberam capacitação técnica para atuar na indústria do estado, que emprega 25,3% da força de trabalho paranaense, com 765 mil empregos diretos. A educação oferecida pelo SENAI, que integra o Sistema S ao lado de entidades como o SESI e SENAC, é reconhecida internacionalmente. Além disso, a instituição é reconhecida pela ONU como uma das principais contribuintes para a educação de qualidade nos países do hemisfério Sul.

Para Victor Teles, gerente-executivo da Festo Didactics, empresa de treinamento e consultoria do segmento industrial, o método utilizado pelo SESI e SENAI coloca os alunos destas instituições passos à frente dos demais para entrar no mercado de trabalho, já que eles são estimulados a aprofundarem seus conhecimentos desde cedo.
 

TEC/SONORA: Victor Teles, gerente-executivo da Festo Didactics

“O papel do SESI e do SENAI é fundamental para preparação de mão de obra especializada e diferenciada para indústria, além desse ponto fundamental para o aumento da produtividade e, consequentemente, da competitividade da indústria brasileira no mercado internacional.”
 

LOC.: Com 19 anos, Eduardo Benvegnir é um dos jovens que viveu a experiência de passar pelo SENAI. Morador de Cascavel, ele ingressou em um curso técnico em manutenção automotiva e vai representar o Brasil na WorldSkills, a maior competição do mundo, na modalidade tecnologia automotiva. A competição vai ocorrer em agosto, na Rússia. Segundo Eduardo, o curso técnico trouxe mais conhecimento e deu uma turbinada em seu currículo, trazendo mais chances na hora da contratação. 

TEC/SONORA: Eduardo Benvegnir, estudante

“Você chega para trabalhar com uma visão diferente, porque dentro do SENAI a gente tem uma ideia de trabalhar na prática. Você aprende a teoria e trabalha na prática. Faz muita diferença ter um curso técnico quando se está no mercado de trabalho.”
 

LOC.: Por conta dos serviços prestados em todo o país, a eficácia e o modelo educacional rendem elogios de diversos setores da sociedade, como a classe política. Entre deputados e senadores, o Sistema S é visto como algo que precisa ser preservado. É o que defende o deputado federal Enio Verri, do PT do Paraná.

TEC/SONORA: Enio Verri, deputado federal (PT/PR)

 “O Sistema S tem feito um trabalho muito bom para o sistema produtivo. Ele contribui com suas políticas de desenvolvimento local, tem também um trabalho muito sério e eu reconheço a importância deles.”
 

LOC.: Em todo o Brasil, o SENAI tem atualmente 587 unidades fixas e 457 móveis, e dispõe ainda de 189 laboratórios de serviços. Presentes em 2.700 municípios, essas unidades oferecem cursos em todos os níveis da educação profissional e tecnológica.

No caso do SESI, a instituição conta com 501 escolas, 114 unidades de vida saudável e 553 unidades móveis, que oferecem educação básica, cursos de educação continuada e serviços de saúde em todo o país. Mantém, ainda, oito centros de inovação, que desenvolvem tecnologias para a segurança e saúde na indústria. Juntas, as duas instituições do Sistema S empregam quase 60 mil pessoas no país.

Com a colaboração de Aline Dias, reportagem, Juliana Gonçalves