PREVENÇÃO: Governo Federal discute estratégias para combate a doenças prevalentes à população negra

SalvarSalvar imagem

REPÓRTER: Os Ministérios da Saúde e dos Direitos Humanos realizaram debate técnico a respeito das estratégias para o atendimento das doenças mais prevalentes na população negra. O objetivo é elaborar um mapeamento e uma agenda de estudos para a gestão e execução de políticas públicas de saúde. O tema foi abordado durante uma oficina técnica e faz parte das ações da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra. Desde 2009, essa política orienta a execução de ações específicas de atenção e cuidado, em procedimentos de saúde, para os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Presente na oficina, o secretário Executivo do Ministério da Saúde, Antonio Nardi, explicou que é preciso ter atenção aos dados concretos da sociedade brasileira para poder avançar nas políticas públicas.

 

SONORA: secretário Executivo do Ministério da Saúde, Antonio Nardi.

 

“A realidade brasileira, ela mostra que temos dificuldades na acessibilidade, de fato, que ainda existe o racismo institucional, que existe desconhecimento, que existem fragilidades, dificuldades de protocolos, dificuldades de tratamentos. E é isso, nós não estamos em um evento belezas ou ações. As ações têm sido construídas e não podem ser descartadas. Mas elas têm de ser evoluídas e concretizadas”.

 

REPÓRTER: Durante os debates, foram apresentados novos estudos sobre a incidência de casos de glaucoma na população negra. De acordo com os dados, as pessoas negras são quatro vezes mais suscetíveis ao desenvolvimento da doença do que outras populações. A constatação pode ajudar no diagnóstico da doença, que muitas vezes não apresenta sintomas. Para mais informações acesse www.saude.gov.br.

 

Reportagem, Janary Damacena.

Receba nossos conteúdos em primeira mão.