INFÂNCIA: Alimentação adequada e aleitamento materno contribuem para o crescimento saudável

Alimentação adequada associada ao aleitamento materno até os dois anos de idade é essencial para o crescimento saudável da criança, segundo o Ministério da Saúde. E até os seis meses de vida, o recomendado é que o bebê se alimente apenas com leite materno

Salvar imagem

Tempo de áudio – 03'02''

REPÓRTER: Alimentação adequada associada ao aleitamento materno até os dois anos de idade é essencial para o crescimento saudável da criança, segundo o Ministério da Saúde. E até os seis meses de vida, o recomendado é que o bebê se alimente apenas com leite materno. O coordenador-geral da Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, Paulo Bonilha, explica que a amamentação traz benefícios físicos e emocionais para os filhos.

SONORA: coordenador-geral da Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde – Paulo Bonilha

"O aleitamento materno, desde o ponto de vista emocional tranquiliza o bebê. Do ponto de vista do vínculo da mãe com esse bebê e vice-versa, isso é muito favorecido. Vai fazer com que o vínculo, a relação de amor entre esse bebê e a sua mãe e vice-versa se fortaleça. Além do que, do ponto de vista nutricional, do ponto de vista, então, de ter os nutrientes que precisa para crescer, do ponto de vista imunológico, de proteção contra doenças. Então, o aleitamento materno é um exemplo do ponto de vista da influência sobre todos esses aspectos: emocional, intelectual e físico".

REPÓRTER: O aleitamento materno também previne a desnutrição, mortes infantis e doenças infecciosas comuns da infância, como diarreia e complicações respiratórias. Além disso, diminui o risco de alergias e da criança apresentar doenças crônicas na fase adulta como hipertensão, colesterol alto, diabetes e obesidade. O coordenador-geral da Saúde da Criança e Aleitamento Materno, Paulo Bonilha, ressalta ainda que o desenvolvimento da criança fica prejudicado se não houver alimentação e amamentação adequadas.

SONORA: coordenador-geral da Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde – Paulo Bonilha

"Se falta aleitamento e alimentação adequada nesse período de vida que é crítico, é o período em que o ser humano mais cresce, é esse período neonatal, o período dos primeiros anos de vida, isso vai gerar grandes problemas. Pode gerar prejuízos tanto no ganho de peso, no crescimento em altura e, às vezes, dependendo da duração disso, uma criança que fica em situação de carência nutricional muitos anos, por exemplo, nesse período que é crítico, por exemplo, a altura pode não ser totalmente recuperada. Quer dizer, o bebê que teria uma potência para ter determinada altura vai acabar ficando menos alto, por exemplo".

REPÓRTER: A administradora Emily Araújo tem três filhos pequenos. Ela conta que segue a orientação do Ministério da Saúde na alimentação das crianças.

SONORA: administradora – Emily Araújo

"Primeiros seis meses só leite materno. Depois começa a alimentação com introdução de legumes e frutas e depois continua, ainda, com aleitamento materno até os dois anos. Além de ser muito bom amamentar, o aleitamento materno é a primeira vacina da criança, assim quando ela nasce, e evita gripes, evita resfriados, pneumonia, a criança não fica obesa, a criança tem uma boa alimentação, um bom contato com a mãe, cresce mais saudável".

REPÓRTER: Os pais podem se informar sobre a alimentação que devem oferecer aos filhos no posto de saúde mais próximo de casa. Para saber mais sobre saúde e nutrição infantil, acesse www.saude.gov.br.

Reportagem, Fábio Ruas

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.