Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Créditos: Notícias Agrícolas

Geadas do final de semana podem causar prejuízos de até 3 anos

Protocolo de segurança estabelece medidas para evitar praga em plantações de cacau


Eu sou o Raphael Costa e a partir de agora você fica por dentro dos principais assuntos do agronegócio no Boletim Agro.

Os produtores de café continuam contabilizando os prejuízos por conta das geadas registradas em Minas Gerais neste último fim de semana.  E pelos últimos levantamentos, os danos podem se estender por um bom tempo. Quem vai nos explicar esse cenário preocupante para os cafeicultores é a jornalista Carla Mendes, do Notícias Agrícolas. Bem-vinda, Carla.

“Os produtores ainda estão buscando quantificar o total da área atingida por essas geadas e o tamanho dos prejuízos. O que já se sabe é que na região de Muzambinho, no estado de Minas Gerais, as geadas foram as mais fortes desde 1994 e os prejuízos podem se estender por até três temporadas. O que nós vamos saber então é a intensidade dessas perdas. Elas serão analisadas ainda nesta semana. Já as definições sobre essas perdas só devem aparecer em 20 ou 30 dias. Então vamos seguir acompanhando. Lembrando que uma massa de ar polar segue para a região nordeste do país, mas ainda fica nos estados de MG e MS, e quando falamos principalmente do estado mineiro, falamos da principal região produtora de café do Brasil.”

Querendo evitar prejuízos com pragas, a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira, Ceplac, do Ministério da Agricultura desenvolveu um protocolo de segurança para as plantações de cacau a fim de evitar a doença chamada monilíase, que pode ser transportada por humanos.

O que a comissão estabeleceu para as plantações da cultura, Carla?

“Esse protocolo alerta, principalmente, sobre a gravidade dessas doenças, que é uma doença que ocorre em locais próximos a fronteira norte brasileira e causa grandes perdas nas lavouras de cacau, não só do Brasil, mas de outros países também. Então, o objetivo é estabelecer algumas orientações para pessoas que queiram visitar países afetados e visitantes que chegam de áreas infectadas. Será elaborada uma cartilha que será distribuída para os produtores das regiões cacaueiras afetadas ,ou não, pela doença com medidas preventivas e de conscientização e treinamento para evitar a doença. A melhor forma é evitar que ela chegue, que ela entre no Brasil.”

Obrigado pelos esclarecimentos, Carla. Quem quiser saber mais novidades do agronegócio é só acessar o Notícias Agrícolas, certo?

“Eu que agradeço, até a próxima. Aos ouvintes que quiserem saber mais, acessem noticiasagricolas.com.br

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Eu sou o Raphael Costa e a partir de agora você fica por dentro dos principais assuntos do agronegócio no Boletim Agro.

Os produtores de café continuam contabilizando os prejuízos por conta das geadas registradas em Minas Gerais neste último fim de semana.  E pelos últimos levantamentos, os danos podem se estender por um bom tempo. Quem vai nos explicar esse cenário preocupante para os cafeicultores é a jornalista Carla Mendes, do Notícias Agrícolas. Bem-vinda, Carla.
 

“Os produtores ainda estão buscando quantificar o total da área atingida por essas geadas e o tamanho dos prejuízos. O que já se sabe é que na região de Muzambinho, no estado de Minas Gerais, as geadas foram as mais fortes desde 1994 e os prejuízos podem se estender por até três temporadas. O que nós vamos saber então é a intensidade dessas perdas. Elas serão analisadas ainda nesta semana. Já as definições sobre essas perdas só devem aparecer em 20 ou 30 dias. Então vamos seguir acompanhando. Lembrando que uma massa de ar polar segue para a região nordeste do país, mas ainda fica nos estados de MG e MS, e quando falamos principalmente do estado mineiro, falamos da principal região produtora de café do Brasil.”

Querendo evitar prejuízos com pragas, a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira, Ceplac, do Ministério da Agricultura desenvolveu um protocolo de segurança para as plantações de cacau a fim de evitar a doença chamada monilíase, que pode ser transportada por humanos.

O que a comissão estabeleceu para as plantações da cultura, Carla?
 

“Esse protocolo alerta, principalmente, sobre a gravidade dessas doenças, que é uma doença que ocorre em locais próximos a fronteira norte brasileira e causa grandes perdas nas lavouras de cacau, não só do Brasil, mas de outros países também. Então, o objetivo é estabelecer algumas orientações para pessoas que queiram visitar países afetados e visitantes que chegam de áreas infectadas. Será elaborada uma cartilha que será distribuída para os produtores das regiões cacaueiras afetadas ,ou não, pela doença com medidas preventivas e de conscientização e treinamento para evitar a doença. A melhor forma é evitar que ela chegue, que ela entre no Brasil.”

Obrigado pelos esclarecimentos, Carla. Quem quiser saber mais novidades do agronegócio é só acessar o Notícias Agrícolas, certo?

“Eu que agradeço, até a próxima. Aos ouvintes que quiserem saber mais, acessem noticiasagricolas.com.br ”