Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site do Brasil 61 - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Agência Brasil

Frente fria em agosto deve trazer neve a região Sul

Para especialistas, ainda é cedo para prever onde e qual a intensidade da neve; modelos de previsão oscilam bastante. No entanto, uma massa de ar com essa força não se via desde 2013


“Agosto mudou completamente, da água para o vinho”. É assim que Fábio Luengo, meteorologista do Somar, define a inesperada variação nas condições climáticas do Brasil. E não é para menos. Depois de uma quinzena muito seca, uma massa de ar polar intensa avança pelo país nesta semana, provocando muito frio e até neve em várias cidades da região Sul, por exemplo. Já a partir desta quarta-feira (19), a temperatura começa a cair bruscamente, de acordo com institutos de meteorologia. 

As previsões apontam que as regiões das serras gaúcha e catarinense devem registrar até três graus abaixo de zero. Já no sul de Mato Grosso do Sul e parte de São Paulo, os termômetros podem devem marcar 3º positivos, o que é incomum para este mês. A frente fria é tão intensa, que pode provocar o fenômeno conhecido como friagem, atingindo o Acre e Rondônia, onde as temperaturas podem bater os 12º. 

“A partir de quarta-feira vem muito frio em grande parte do Brasil. Primeiramente, a região Sul, em seguida o sul de MS e parte de São Paulo e já ali pra sexta, fim de semana, se estende para outras áreas do Centro-Oeste, do Sudeste e até mesmo o sul da Região Norte”, afirma Fábio Luengo, meteorologista do Somar. 

Neve

Para especialistas, não se via um frio intenso assim há sete anos, quando nevou em vários municípios do sul do país. “É bem diferente. O que chama a atenção é esse frio em agosto. O último frio intenso, foi em julho de 2013, que muitas cidades da região Sul tiveram registro de neve e, até mesmo, em Curitiba”, diz Fábio.

Por enquanto, os modelos que tentam prever a ocorrência da neve oscilam bastante. Há previsões que são “muito exageradas”, tanto na abrangência do fenômeno, quanto na intensidade. Fábio explica que para que haja neve é preciso de frio e umidade. O primeiro ingrediente da fórmula está garantido com a massa de ar polar. No entanto, ainda existem dúvidas se haverá umidade suficiente para provocar neve, onde e quando. 

De antemão, o Somar aponta para maior probabilidade de neve nas áreas mais altas da região Sul do país, como em Campos de Cima da Serra, no Rio Grande do Sul, parte do planalto catarinense e do Paraná. Ainda não há previsão do fenômeno para alguma capital. Contudo, as condições podem mudar nos próximos dias, segundo o meteorologista. 

“Nas regiões mais altas, como Cambará do Sul, São Francisco de Paula, São José dos Ausentes, no Rio Grande do Sul e Urubici, Bom Jardim da Serra, Urupema e São Joaquim, em Santa Catarina, pode acontecer já na quinta à noite. Mas na sexta é que há previsão de uma neve mais generalizada”, exemplifica. 

Há análises que apontam para a possibilidade de a neve bater os 10 cm. Outros falam em até 35 cm, diz Fábio. Para ele, há muito exagero, o que é comum para o momento. “São pequenos flocos de neve, que não dá para fazer um bonequinho direito. Por isso estamos tomando cuidado, colocando o pé no chão”, pondera. Mais comum para os moradores da região Sul do país, a geada deve ocorrer, basicamente, na metade sul do Rio Grande do Sul, favorecida pela ausência de nuvens. 

Cuidados

Para Fábio, as pessoas que já têm problemas respiratórios devem redobrar a atenção com a mudança brusca nas temperaturas. Isso porque além do forte frio, há previsão de ventanias. “Quem tiver na rua pode sentir um frio ainda maior e ficar mais propício a ter algum tipo de doença respiratória”, diz. 

Já o setor da agropecuária pode ficar mais descansado. Ao menos, por enquanto. Ele explica que muitas lavouras na região Sul, por exemplo, já foram colhidas e não estariam na fase de desenvolvimento, que é mais vulnerável às geadas e outros fenômenos. 

Cronograma

A previsão atual é de que a terça-feira (18) seja de temporais em Santa Catarina, no Paraná e no sul de Mato Grosso do Sul. Já em parte de Minas Gerais, São Paulo e no Rio de Janeiro, o tempo fica fechado com chuvas mais leves ao longo do dia. Na quarta (19), o frio começa a ganhar força no Rio Grande do Sul. No dia seguinte, é que a massa de ar fria será percebida nas demais regiões brasileiras.  

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Depois de uma quinzena muito seca, uma massa de ar polar intensa avança pelo país nesta semana, provocando muito frio e até mesmo neve em várias cidades da região Sul. Já a partir desta quarta-feira (19), a temperatura começa a cair bruscamente, de acordo com institutos de meteorologia. 

As previsões apontam que as regiões das serras gaúcha e catarinense devem registrar até três graus abaixo de zero. Já no sul de Mato Grosso do Sul e parte de São Paulo, os termômetros podem marcar 3º positivos, o que é incomum para este mês. A frente fria é tão intensa, que pode provocar o fenômeno conhecido como friagem, atingindo o Acre e Rondônia, onde as temperaturas podem bater os 12º. 

Segundo Fábio Luengo, meteorologista do Somar Meteorologia, não se via um frio tão intenso assim desde julho de 2013, quando nevou em vários municípios do sul do país. 

TEC./SONORA: Fábio Luengo, meteorologista do Somar. 

“A partir de quarta-feira vem muito frio em grande parte do Brasil. Primeiramente, a região Sul, em seguida o sul de MS e parte de São Paulo e já ali pra sexta, fim de semana, se estende para outras áreas do Centro-Oeste, do Sudeste e até mesmo o sul da Região Norte.”

LOC.: Por enquanto, os modelos que tentam prever a ocorrência da neve oscilam bastante. De antemão, o Somar aponta para maior probabilidade de neve nas áreas mais altas da região Sul do país, como em Campos de Cima da Serra, no Rio Grande do Sul, parte do planalto catarinense e do Paraná. 

A chance de os moradores e turistas se divertirem com o fenômeno é maior nas regiões de Cambará do Sul, São Francisco de Paula, São José dos Ausentes, no Rio Grande do Sul e em Urubici, Bom Jardim da Serra, Urupema e São Joaquim, em Santa Catarina, o que pode acontecer já na quinta-feira à noite. Na sexta, a previsão é de que a neve seja mais ampla, atingindo municípios do Paraná. Ainda não há previsão do fenômeno para alguma capital. Contudo, as condições podem mudar nos próximos dias, segundo o meteorologista. 

Apesar disso, Fábio aponta que o momento é de cautela, já que no início de uma mudança tão grande e repentina nas condições do tempo, os modelos de previsão costumam exagerar. 

TEC./SONORA: Fábio Luengo, meteorologista do Somar. 

“São pequenos flocos de neve, que não dá para fazer um bonequinho direito. Por isso estamos tomando cuidado, colocando o pé no chão.”

LOC.: Para Fábio, as pessoas que já têm problemas respiratórios devem redobrar a atenção com a mudança brusca nas temperaturas. Isso porque além do forte frio, há previsão de ventanias. Já o setor da agropecuária pode ficar mais descansado, segundo ele. Ao menos, por enquanto. Fábio explica que muitas lavouras na região Sul, por exemplo, já foram colhidas e não estariam na fase de desenvolvimento, que é mais vulnerável às geadas e outros fenômenos. 

Reportagem, Felipe Moura.