Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Agência Brasil

Brasil terá que capacitar 10,5 milhões de trabalhadores para a indústria até 2023, aponta levantamento do SENAI

Mapa do Trabalho Industrial 2019-2023 mostra ainda que as áreas que mais vão demandar formação profissional são transversais, metalmecânica e construção, além das profissões ligadas à tecnologia


Levantamento do SENAI, divulgado nesta segunda-feira (12), projeta que o país terá de qualificar 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais de níveis superior, técnico, qualificação profissional e aperfeiçoamento até 2023. As vagas na indústria e também em outros setores vão demandar formação de profissionais nas áreas transversais (1,7 milhão), metalmecânica (1,6 milhão), construção (1,3 milhão), logística e transporte (1,2 milhão), alimentos (754 mil), informática (528 mil), eletroeletrônica (405 mil) e energia e telecomunicações (359 mil). Os profissionais com qualificação transversal são aqueles que trabalham em qualquer segmento, como profissionais de pesquisa e desenvolvimento, técnicos de controle da produção e desenhistas industriais. Os dados são da pesquisa Mapa do Trabalho Industrial 2019-2023.

Essa demanda por qualificação prevista pela instituição inclui, em sua maioria, o aperfeiçoamento de trabalhadores que já estão empregados. Caso da Rosiane Lucindro, de 24 anos, moradora de Belo Horizonte.

Apesar de trabalhar em uma empresa de engenharia, a jovem buscou se capacitar e fez o curso de técnico em edificações no SENAI. O objetivo de Rosiane ao se qualificar era se manter empregada e conseguir superar a concorrência de trabalhadores homens, maioria no setor em que atua. 

“Fiz o curso procurando melhorar profissionalmente, ganhar uma promoção. Nós mulheres, hoje em dia, estamos atrás de igualdade. Então, da mesma forma que homens são capazes de trabalhar em uma área da construção civil, a mulher igualmente consegue. Vejo em obras, no meu trabalho, que tem espaço”, afirmou.

Outro dado da pesquisa que chama a atenção é que os profissionais com formação técnica terão mais oportunidades em logística e transporte, área que exigirá a capacitação de 495.161 trabalhadores nos próximos cinco anos. Os interessados podem se inscrever, por exemplo, em cursos como gestão estratégica e planejamento em logística e condução de veículos de transporte coletivo de passageiros, ambos oferecidos pelo SENAI.

Tecnologia

Ainda segundo o Mapa do Trabalho Industrial 2019-2023, as profissões ligadas à tecnologia estão entre as que mais vão crescer nos próximos anos. Para o diretor de Operações do SENAI, Gustavo Leal, isso mostra a necessidade da ampliação de investimentos na área educacional.

“O mundo vive uma revolução da educação, no caso da indústria, estamos vivendo a Indústria 4.0, toda uma verdadeira revolução no perfil das pessoas para os próximos empregos que serão gerados dentro desse novo paradigma. Instituições como SENAI têm profundo impacto nesse processo”, analisa.

Para acompanhar essa demanda, a instituição lançou recentemente 11 cursos de aperfeiçoamento em tecnologias da Indústria 4.0, como ciber segurança e internet das coisas (Iot), além de oportunidades de qualificação em inteligência artificial e computação em nuvem.

O SENAI é a maior rede de apoio à capacitação tecnológica e à inovação do setor industrial. A entidade possui 541 unidades fixas e 452 móveis e está presente em 2.700 municípios do país.

Além de oferecer oportunidades de qualificação através de cursos em todos os níveis da educação profissional e tecnológica, a entidade administra também uma rede de 26 Institutos de Inovação e de 58 Institutos de Tecnologia espalhados por todas as regiões brasileiras.

Em 2018, o SENAI recebeu 2,3 milhões de matrículas de educação profissional e atendeu 19.749 indústrias com serviços técnicos e tecnológicos.

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC: Levantamento do SENAI, divulgado nesta segunda-feira (12), projeta que o país terá de qualificar 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais de níveis superior, técnico, qualificação profissional e aperfeiçoamento até 2023. As vagas na indústria e também em outros setores vão demandar formação de profissionais nas áreas transversais, metalmecânica, construção, logística e transporte, alimentos, informática, eletroeletrônica e energia e telecomunicações. Os profissionais com qualificação transversal são aqueles que trabalham em qualquer segmento, como profissionais de pesquisa e desenvolvimento, técnicos de controle da produção e desenhistas industriais. Os dados são da pesquisa Mapa do Trabalho Industrial 2019-2023.

Essa demanda por qualificação prevista pela instituição inclui, em sua maioria, o aperfeiçoamento de trabalhadores que já estão empregados. Caso da Rosiane Lucindro, de 24 anos, moradora de Belo Horizonte. Apesar de trabalhar em uma empresa de engenharia, a jovem buscou se capacitar e fez o curso de técnico em edificações no SENAI. O objetivo de Rosiane ao se qualificar era se manter empregada e conseguir superar a concorrência de trabalhadores homens, maioria no setor em que atua. 

TEC./SONORA: Rosiane Lucindro, técnica em edificações 
 

“Fiz o curso procurando melhorar profissionalmente, ganhar uma promoção. Nós mulheres, hoje em dia, estamos atrás de igualdade. Então, da mesma forma que homens são capazes de trabalhar em uma área da construção civil, a mulher igualmente consegue.”

LOC: Ainda segundo o Mapa do Trabalho Industrial 2019-2023, as profissões ligadas à tecnologia estão entre as que mais vão crescer nos próximos anos. Para o diretor de Operações do SENAI, Gustavo Leal, isso mostra a necessidade da ampliação de investimentos na área educacional.

TEC./SONORA: Gustavo Leal, diretor de Operações do SENAI
 

“O mundo vive uma revolução da educação, no caso da indústria, estamos vivendo a Indústria 4.0, toda uma verdadeira revolução no perfil das pessoas para os próximos empregos que serão gerados dentro desse novo paradigma. Instituições como SENAI têm profundo impacto nesse processo”.

LOC: Para acompanhar essa demanda, a instituição lançou recentemente 11 cursos de aperfeiçoamento em tecnologias da Indústria 4.0, como ciber segurança e internet das coisas (Iot), além de oportunidades de qualificação em inteligência artificial e computação em nuvem.

O SENAI é a maior rede de apoio à capacitação tecnológica e à inovação do setor industrial. A entidade possui 541 unidades fixas e 452 móveis e está presente em 2.700 municípios do país. Em 2018, o SENAI recebeu 2,3 milhões de matrículas de educação profissional e atendeu 19.749 indústrias com serviços técnicos e tecnológicos.

Reportagem, Paulo Henrique Gomes