Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Créditos: EBC Arquivo

BOLETIM AGRO: Safra de grãos deve ter alta de 4,2% em 2019

Representantes do café estimam alta nos preços entre 6 meses a um ano


Eu sou o Raphael Costa e, a partir de agora, você fica por dentro dos principais assuntos do agronegócio no Boletim Agro.

O IBGE divulgou, nesta quinta-feira (11), uma estimativa de aumento de 4,2% na produção de cereais, leguminosas e oleaginosas em 2019. O dado foi disponibilizado no Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Pelo que o estudo apontou, quem deve puxar esse aumento na produção é o milho.

Quem vai nos dar mais detalhes sobre esse levantamento, e debater outras questões é a jornalista Carla Mendes, do Notícias Agrícolas. Bem-vinda, Carla.

“De acordo com o levantamento do IBGE, o milho deve puxar esse crescimento de mais de 4% na produção de cereais, leguminosas e oleaginosas do Brasil, e deve ter um incremento, com relação a 2018, de 17% na sua produção. Para soja é esperada uma queda de 4,5% e para o arroz, uma redução de 11,2%. Ainda assim, teremos uma produção geral maior que em 2018 – consideravelmente maior. Então, temos perspectivas importantes para o mercado do milho. Nós temos exportado bastante milho e com boas oportunidades surgindo para esse produto. Devemos ter uma safra próxima de 100 milhões de toneladas e isso mostra que, cada vez mais, o produtor brasileiro tem investido bastante nessa cultura, principalmente na segunda safra. ”

Agora, falando sobre outro importante produto do agro brasileiro: o café. Representantes do setor acreditam que o preço do produto deve voltar a subir em um período de seis meses a um ano. Uma queda na produção junto com um aumento da demanda devem favorecer esse cenário. Essa é a expectativa, Carla? Nos dê mais detalhes sobre essa situação.

“Sim, essa é a expectativa. Em entrevista ao Notícias Agrícolas, o superintendente comercial da Cooxupé, Lúcio Dias, falou justamente sobre isso. Essa queda que é esperada na produção nacional mais uma demanda mundial bastante aquecida, além de um mercado financeiro global dando sinais de melhora devem atuar para melhorar o cenário de preços para essa commoditie. E é claro, refletindo em preços melhores para o produtor brasileiro. Lembrando que o cafeicultor vem amargando prejuízos bastante severos nas últimas safras diante de produções que foram recordes. Essa próxima safra será de baixo ciclo, porém, deve ter uma produção considerável.”

Obrigado pelos esclarecimentos, Carla. Quem quiser saber mais novidades do agronegócio é só acessar o Notícias Agrícolas, certo?

“Eu que agradeço, até a próxima. Aos ouvintes que quiserem saber mais, acessem noticiasagricolas.com.br

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Eu sou o Raphael Costa e, a partir de agora, você fica por dentro dos principais assuntos do agronegócio no Boletim Agro.

O IBGE divulgou, nesta quinta-feira (11), uma estimativa de aumento de 4,2% na produção de cereais, leguminosas e oleaginosas em 2019. O dado foi disponibilizado no Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Pelo que o estudo apontou, quem deve puxar esse aumento na produção é o milho.

Quem vai nos dar mais detalhes sobre esse levantamento, e debater outras questões é a jornalista Carla Mendes, do Notícias Agrícolas. Bem-vinda, Carla.
 

“De acordo com o levantamento do IBGE, o milho deve puxar esse crescimento de mais de 4% na produção de cereais, leguminosas e oleaginosas do Brasil, e deve ter um incremento, com relação a 2018, de 17% na sua produção. Para soja é esperada uma queda de 4,5% e para o arroz, uma redução de 11,2%. Ainda assim, teremos uma produção geral maior que em 2018 – consideravelmente maior. Então, temos perspectivas importantes para o mercado do milho. Nós temos exportado bastante milho e com boas oportunidades surgindo para esse produto. Devemos ter uma safra próxima de 100 milhões de toneladas e isso mostra que, cada vez mais, o produtor brasileiro tem investido bastante nessa cultura, principalmente na segunda safra. ”

Agora, falando sobre outro importante produto do agro brasileiro: o café. Representantes do setor acreditam que o preço do produto deve voltar a subir em um período de seis meses a um ano. Uma queda na produção junto com um aumento da demanda devem favorecer esse cenário. Essa é a expectativa, Carla? Nos dê mais detalhes sobre essa situação.

“Sim, essa é a expectativa. Em entrevista ao Notícias Agrícolas, o superintendente comercial da Cooxupé, Lúcio Dias, falou justamente sobre isso. Essa queda que é esperada na produção nacional mais uma demanda mundial bastante aquecida, além de um mercado financeiro global dando sinais de melhora devem atuar para melhorar o cenário de preços para essa commoditie. E é claro, refletindo em preços melhores para o produtor brasileiro. Lembrando que o cafeicultor vem amargando prejuízos bastante severos nas últimas safras diante de produções que foram recordes. Essa próxima safra será de baixo ciclo, porém, deve ter uma produção considerável.”

Obrigado pelos esclarecimentos, Carla. Quem quiser saber mais novidades do agronegócio é só acessar o Notícias Agrícolas, certo?

“Eu que agradeço, até a próxima. Aos ouvintes que quiserem saber mais, acessem noticiasagricolas.com.br ”