Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Animais Peçonhentos: o que fazer após uma picada

O coordenador de Vigilância de Zoonoses e Doenças de Transmissão Vetorial do Ministério da Saúde, Marcelo Wada, explica quais medidas devem ser tomadas para evitar problemas de saúde

Salvar imagemTexto para rádio

Cobra, aranha, escorpião, água-viva. Em todo o Brasil existem estes e outros animais peçonhentos que, ao picar uma pessoa, causam sérios problemas de saúde, podendo levar à morte. Durante o verão, por causa do calor e da umidade, o registro de acidentes com estes animais aumenta. O Coordenador de Vigilância de Zoonoses e Doenças de Transmissão Vetorial do Ministério da Saúde, Marcelo Wada, explica o que fazer depois da picada de um animal peçonhento.

“A primeira medida quando você é picado por um animal peçonhento é estar lavando a ferida com água e sabão e procurar imediatamente o posto de saúde para cuidados médicos. A exceção são as águas-vivas e as caravelas. Em situações de acidentes por águas-vivas e caravelas, você deve colocar bolsa de água gelada, sem ter o contato com a água doce”.

Marcelo Wada alerta também que não é recomendado jogar nada sobre o local da picada, além da água e sabão. Por isso, nada de amarrar com torniquetes ou tentar sugar o veneno! Escute as dicas de prevenção do Coordenador de Vigilância de Zoonoses do Ministério da Saúde.

“A dica que nós damos é: sempre estar olhando antes de calçar um sapato, antes de calçar uma bota, verificar dentro se existe algum animal, algum escorpião ou uma cobra que entrou ali. Eles gostam de lugares quentes, úmidos e escuros. Então, sempre abrir os armários, vistoriar antes de colocar a mão. Sempre estar evitando o contato com rochas, pedras ou tocos de árvore, onde esses animais podem estar entocados”.

Para cada tipo de peçonhento existe um soro diferente para o tratamento. Por isso, é importante descrever o máximo sível o animal para o profissional de saúde na hora do atendimento. O SUS disponibiliza vários soros para diferentes picadas de animais peçonhentos.

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Cobra, aranha, escorpião, água-viva. Em todo o Brasil existem estes e outros animais peçonhentos que, ao picar uma pessoa, causam sérios problemas de saúde, podendo levar à morte. Durante o verão, por causa do calor e da umidade, o registro de acidentes com estes animais aumenta. O Coordenador de Vigilância de Zoonoses e Doenças de Transmissão Vetorial do Ministério da Saúde, Marcelo Wada, explica o que fazer depois da picada de um animal peçonhento.

[SONORA] Marcelo Wada, Coord. Vigilância de Zoonoses e Doenças de Transmissão Vetorial/MS

“A primeira medida quando você é picado por um animal peçonhento é estar lavando a ferida com água e sabão e procurar imediatamente o posto de saúde para cuidados médicos. A exceção são as águas-vivas e as caravelas. Em situações de acidentes por águas-vivas e caravelas, você deve colocar bolsa de água gelada, sem ter o contato com a água doce”.

Marcelo Wada alerta também que não é recomendado jogar nada sobre o local da picada, além da água e sabão. Por isso, nada de amarrar com torniquetes ou tentar sugar o veneno! Escute as dicas de prevenção do Coordenador de Vigilância de Zoonoses do Ministério da Saúde.

[SONORA] Marcelo Wada, Coord. Vigilância de Zoonoses e Doenças de Transmissão Vetorial/MS

“A dica que nós damos é: sempre estar olhando antes de calçar um sapato, antes de calçar uma bota, verificar dentro se existe algum animal, algum escorpião ou uma cobra que entrou ali. Eles gostam de lugares quentes, úmidos e escuros. Então, sempre abrir os armários, vistoriar antes de colocar a mão. Sempre estar evitando o contato com rochas, pedras ou tocos de árvore, onde esses animais podem estar entocados”.

Para cada tipo de peçonhento existe um soro diferente para o tratamento. Por isso, é importante descrever o máximo possível o animal para o profissional de saúde na hora do atendimento. O SUS disponibiliza vários soros para diferentes picadas de animais peçonhentos.

Erika Braz, para a Web Rádio Saúde