Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

Acordo entre União Europeia e Mercosul trará resultados para Brasil em até três anos, projeta Eduardo Bolsonaro

Tratado poderá trazer ganhos de R$ 500 bilhões em 10 anos para o PIB brasileiro, segundo ministério da Economia

Salvar imagemTexto para rádio

Os efeitos positivos do acordo econômico entre os países do Mercosul e da União Europeia serão sentidos pelo Brasil em um prazo de até três anos. A avaliação é do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara de Deputados.

“Esse acordo vai começar a produzir seus resultados daqui a dois, três anos, porque precisa passar por um processo aqui, no Brasil, que se chama ‘internalização’. Ao ser aprovado pelo Congresso Nacional, o acordo começa a produzir os seus efeitos na economia”, explicou o deputado.

Estimativas apresentadas no início de julho pelo Ministério da Economia apontam que o tratado comercial poderá trazer ganhos de R$ 500 bilhões em dez anos para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

Assinado no último mês pelos dois blocos econômicos, o pacto ainda precisa passar por uma revisão jurídica de todos os países envolvidos. Em seguida, o documento será traduzido para todas as línguas, e, somente após esse processo, a redação poderá ser aprovada pelo parlamento de cada um dos 31 países pertencentes aos dois blocos.

“Quando isso acontecer, o que vai ocorrer: para chegar na Europa, vários produtos brasileiros vão ter a sua alíquota reduzida, ou seja, o nosso produto, lá na Europa, vai ser mais competitivo, principalmente do nosso agronegócio”, afirmou Eduardo.

O deputado federal lembra que o acordo entre Mercosul e União Europeia representa 25% do PIB mundial em um mercado com mais de 750 milhões de pessoas.

“São economias que se complementam. O Mercosul sempre foi criticado por ser um bloco fechado e, agora, graças ao presidente Bolsonaro, o Brasil está modernizando o Mercosul e isso vai gerar mais emprego aqui. Pode ter certeza disso”, completou.

Entenda

O acordo que levou mais de 20 anos para ser costurado prevê a eliminação de tarifas em prazos que variam de 10 a 15 anos.

No caso da indústria, por exemplo, a União Europeia vai zerar suas tarifas em produtos do Mercosul em até 10 anos. Por outro lado, o bloco formado por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai vai liberalizar 91% de suas linhas tarifárias com os europeus.

Na agricultura, a UE prometeu zerar a tarifa para oito em cada 10 produtos (81,2) do Mercosul, que, por sua vez, deverá acabar com impostos para 67,4% dos produtos europeus.

O consultor em comércio internacional Welber Barral considera que o setor automobilístico também será um dos maiores beneficiados. Quando o acordo entrar em vigor, haverá redução da taxa de importações de 35% para 17,5%, com cota anual de 50 mil veículos para o Mercosul – mais da metade para o Brasil. “Há setores em que o Mercosul será mais competitivo, há setores em que a Europa será mais competitiva”, lembra.

Sobre as críticas de que o Brasil e o Mercosul fizeram muitas concessões, o especialista ressaltou que esse tipo de acordo é uma “via de mão dupla”. “Em todo acordo negociado, é preciso fazer concessão. O Mercosul, não só o Brasil, mas também a Argentina, fez muitas concessões nos últimos anos, principalmente no último ano, para poder fechar o acordo. Apesar disso, eu diria que o acordo é relativamente equilibrado”, completa.

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Os efeitos positivos do acordo econômico entre os países do Mercosul e da União Europeia serão sentidos pelo Brasil em um prazo de até três anos. A avaliação é do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara de Deputados.

TEC./SONORA: Eduardo Bolsonaro, deputado federal (PSL-SP)

“Esse acordo vai começar a produzir seus resultados daqui a dois, três anos, porque precisa passar por um processo aqui, no Brasil, que se chama ‘internalização’. Ao ser aprovado pelo Congresso Nacional, o acordo começa a produzir os seus efeitos na economia.”
 

LOC.: Estimativas apresentadas no início de julho pelo Ministério da Economia apontam que o tratado comercial poderá trazer ganhos de R$ 500 bilhões em dez anos para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

Para Eduardo Bolsonaro, o tratado tornará os produtos brasileiros mais competitivos.
 

TEC./SONORA: Eduardo Bolsonaro, deputado federal (PSL-SP)

“Quando isso acontecer, o que vai ocorrer: para chegar na Europa, vários produtos brasileiros vão ter a sua alíquota reduzida, ou seja, o nosso produto, lá na Europa, vai ser mais competitivo, principalmente do nosso agronegócio.”
 

LOC.: O acordo que levou mais de 20 anos para ser costurado prevê a eliminação de tarifas em prazos que variam de 10 a 15 anos.

No caso da indústria, por exemplo, a União Europeia vai zerar suas tarifas em produtos do Mercosul em até 10 anos. Por outro lado, o bloco formado por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai vai liberalizar 91% de suas linhas tarifárias com os europeus.

Na agricultura, a UE prometeu zerar a tarifa para oito em cada 10 produtos (81,2) do Mercosul, que, por sua vez, deverá acabar com impostos para 67,4% dos produtos europeus.

O consultor em comércio internacional Welber Barral considera que o setor automobilístico também será um dos maiores beneficiados. Quando o acordo entrar em vigor, haverá redução da taxa de importações de 35% para 17,5%, com cota anual de 50 mil veículos para o Mercosul – mais da metade para o Brasil.
Sobre as críticas de que o Brasil e o Mercosul fizeram muitas concessões, o especialista ressaltou que esse tipo de acordo funciona como uma “via de mão dupla”.
 

TEC./SONORA: Welber Barral, consultor em comércio internacional

“Em todo acordo negociado, é preciso fazer concessão. O Mercosul, não só o Brasil, mas a Argentina, fez muitas concessões nos últimos anos, principalmente no último ano, para poder fechar o acordo. Apesar disso, eu diria que o acordo é relativamente equilibrado.”
 

LOC.: Assinado no último mês pelos dois blocos econômicos, o pacto ainda precisa passar por uma revisão jurídica de todos os países envolvidos. Em seguida, o documento será traduzido para todas as línguas, e, somente após esse processo, a redação poderá ser aprovada pelo parlamento de cada um dos 31 países pertencentes aos dois blocos.

Com a colaboração de Marquezan Araújo e João Paulo Machado, reportagem, Juliana Gonçalves