ABREU E LIMA (PE): Fosfato, Desterro e Centro sofrem com Aedes, na cidade

800 imóveis vão ser vistoriados por mês no combate ao mosquito, na cidade

SalvarSalvar imagem

REPÓRTER: Nas ruas de Abreu e Lima, 40 agentes de combate ao Aedes aegypti estão buscando criadouros e alertando a população para os riscos do mosquito. Fosfato, Desterro e o Centro da cidade são as localidades com maior infestação do Aedes. A meta dos agentes é visitar 800 imóveis por mês, no município, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, de Abreu e Lima. Girlene de Araújo é moradora de Fosfato e conta que, a visita dos agentes é fundamental para livrar Abreu e Lima da dengue, chikungunya e do Zika.
 
SONORA: Moradora de Fosfato, Girlene de Araújo
 
“É importante para lembrar as pessoas sobre as ações que elas podem tomar em suas próprias casas para evitar a proliferação do mosquito. Nós mesmo temos que arregaçar as mangas, temos que limpar os nossos quintais. Tem que tá sempre vistoriando.”
 
REPÓRTER: Aos finais de semana, Abreu e Lima promove mutirões de limpeza nos bairros para acabar com criadouros do Aedes. Os agentes aproveitam a presença das famílias em casa para realizar as vistorias e ensinam os moradores a se protegerem do mosquito. Além disso, alunos das escolas de Abreu e Lima estão aprendendo em sala de aula a combater o Aedes e, as informações são repassadas para toda a família. Mas, as ações de combate ao mosquito só vão ser completas se, a população cooperar e abrir as portas das casas para a visita dos agentes como pede a secretária Municipal de Saúde, do município, Sônia Arruda.  
 
SONORA: secretária Municipal de Saúde, de Abreu Lima, Sônia Arruda.  
 
“Eu gostaria de convidar a população de Abreu e Lima a abrir as portas para os nossos agentes de endemias, agentes de saúde, que estão também trabalhando nos finais de semana, nos bairros. Para que a gente possa identificar os focos e orientar a população e realmente ver esses focos.’
 
REPÓRTER: A dica é que cada família dedique 15 minutos por semana para combater o Aedes aegypti. Como não há remédios, nem vacinas para a dengue, chikungunya e o Zika, a única forma de proteção é acabar com o mosquito transmissor, como lembra o Ministro da Saúde, Marcelo Castro.
 
SONORA: Ministro da Saúde, Marcelo Castro.
 
“Como nós não temos vacina, nós só temos um caminho a trilhar: é eliminar o mosquito para que ele não transmita nem a dengue, nem a chikungunya e nem o vírus Zika.”
 
REPÓRTER: Qualquer pessoa que queira contribuir com o combate ao Aedes em Abreu e Lima pode ligar no telefone secretaria municipal de Saúde. O número é: 3542 7839. Saiba mais na internet, no endereço combateaedes.saude.gov.br
 

Reportagem, Marquezan Araújo

Receba nossos conteúdos em primeira mão.