Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Agência Brasil/Divulgação

Versão digital do Enem segue a mesma estrutura de provas impressas

Exame será feito em locais de prova, com computadores fornecidos pela aplicadora


A partir deste ano o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) passa a ter a versão digital da prova. Além da versão tradicional, impressa, prevista para os dias 1º e 8 de novembro, haverá a possibilidade de realizar a seleção por meio de um computador, nos dias 22 e 29 de novembro. A opção por uma das modalidades será feita no período de inscrições, entre 11 e 22 de maio. 

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pela aplicação, explica que o Enem digital é a transição do modelo tradicional, impresso, utilizado há mais de 100 anos, para o futuro, que é a aplicação digital dos exames e avaliações. A ideia surgiu para que os alunos possam ter mais de uma opção de data para realizar o Enem. Em 2020, teremos dois Enem, um impresso e outro digital. Em 2021, serão três, um impresso e dois digitais, todos em datas diferentes. O objetivo é que em 2026 só haja a versão digital.   

Segundo o presidente do Inep, Alexandre Lopes, os alunos podem ficar despreocupados, já que o Enem Digital terá o mesmo esquema de segurança já aplicado na versão tradicional. “A prova não é feita no computador da pessoa. A prova é feita em locais próprios. Assim como no Enem você vai ao local de prova para fazer a prova impressa, você participante irá até um local de aplicação para fazer a prova do Enem Digital. E isso com todos os requisitos de segurança que existem também na aplicação do Enem Impresso”, garante o presidente do Inep.

Para o especialista em crimes digitais, José Antônio Milagre, o Inep é uma instituição conhecida por traçar protocolos de segurança suficientes para que não haja preconceito em relação à mudança da prova para o meio digital, mesmo porque diversas instituições no mundo já desempenham essa prática.

“Até comprovações em contrário, não há de se falar em insegurança. Existem hoje uma série de sistemas digitais de prova no mundo todo, não só para Ensino Médio, mas concurso, especificamente para certificações e que funcionam com absoluta segurança”, ressalta o especialista. “Não conheço as medidas de segurança adotadas pelo Inep, não posso falar a respeito sem ver, mas se adotadas as medidas organizativas e técnicas, especialmente as previstas na ISO 27.001, que é a norma que estabelece o sistema de gestão de segurança em informação, pode sim conceber um sistema de avaliação online sem qualquer perigo aos candidatos ou à integridade do exame.”

Locais de prova
O Enem Digital vai seguir a mesma estrutura logística do Enem impresso. As provas serão aplicadas em locais definidos pelo Inep, sob as mesmas condições de segurança e sigilo. Serão quatro provas objetivas e a redação. Cada uma das provas terá 45 questões de múltipla escolha apresentadas na tela do computador. A redação, pelo menos nesta primeira edição, será realizada em formato impresso, nos mesmos moldes de aplicação e correção da versão em papel. Além disso, os participantes receberão folhas de rascunho nos dois dias de provas.

Provas diferentes
Como as duas modalidades serão realizadas em datas diferentes, as provas também são diferentes. Mas, segundo o presidente do Inep, ambas serão elaboradas com as mesmas fórmulas para garantir a isonomia.
“Obviamente serão provas diferentes, mas com comparabilidade. A aplicação correta da TRI, da Teoria da Resposta ao Item, como é feita pelo Inep, garante que provas sendo feitas em datas diferentes tenham a mesma complexidade, a mesma resposta, não importando se você faz o Enem Digital ou o Enem Impresso”, explica Lopes. “Importante salientar que quem fizer as provas do Enem Digital estará concorrendo às mesmas vagas do Enem Impresso.”

Inscrição
A inscrição do Enem é feita por meio digital. Nela, haverá um campo onde será solicitado do aluno a opção de modalidade preferida, se impresso ou digital. Se a opção for pelo Enem Digital, aparecerá quais municípios estão ofertando essa oportunidade e a quantidade de vagas ainda existentes para esse novo tipo de aplicação. Serão 100 mil vagas em 2020 e a ordem será a de inscrição, ou seja, os primeiros 100 mil a selecionarem o modelo.

Por conta da quarentena ocasionada pelo novo coronavírus, a estudante Maria Eduarda Lacerda foi obrigada a continuar os estudos em casa. Segundo a brasiliense, mesmo utilizando plataformas de vídeos no computador para ajudar, a opção dela, este ano, ainda será pela versão tradicional.

“Essa questão do Enem Digital é muito nova. Prefiro riscar, pegar no papel, sublinhar as palavras-chaves das perguntas. Então, pelo menos neste ano, vou fazer a verão impressa mesmo”, conta Maria Eduarda, que pretende fazer Medicina.
Beatriz Valença, de 17 anos, pensa diferente. Ela acredita que a tecnologia já é bastante presente e nada mais justo decidir o futuro dessa forma. “Além de ser uma ideia que já foi bastante pensada e que agora finalmente podemos experimentar, tem a questão da diminuição do uso do papel. Ou seja, além de ser um marco na evolução, será um grande ganho para o meio ambiente. Estou realmente muito curiosa”, destaca.

Custos
No último ano, segundo o Inep, a previsão de custo do Enem era de aproximadamente R$ 537 milhões, o que equivale a cerca de R$ 105 por participante. A expectativa, agora, é que a versão digital baixe consideravelmente o valor, já que parte dos gastos é direcionado à impressão e distribuição das provas.
 

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: A partir deste ano o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) passa a ter a versão digital da prova. Além da versão tradicional, impressa, prevista para os dias 1º e 8 de novembro, haverá a possibilidade de realizar a seleção por meio de um computador, nos dias 22 e 29 de novembro. A opção por uma das modalidades será feita no período de inscrições, entre 11 e 22 de maio. 

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pela aplicação, explica que o Enem digital é a transição do modelo tradicional, impresso, utilizado há mais de 100 anos, para o futuro, que é a aplicação digital dos exames e avaliações. A ideia surgiu para que os alunos possam ter mais de uma opção de data para realizar o Enem. Em 2020, teremos dois Enem, um impresso e outro digital. Em 2021, serão três, um impresso e dois digitais, todos em datas diferentes. O objetivo é que em 2026 só haja a versão digital.   

Segundo o presidente do Inep, Alexandre Lopes, os alunos podem ficar despreocupados, já que o Enem Digital terá o mesmo esquema de segurança já aplicado na versão tradicional.
 

TEC./SONORA: Alexandre Lopes, presidente do Inep

“A prova não é feita no computador da pessoa. A prova é feita em locais próprios. Assim como no Enem você vai ao local de prova para fazer a prova impressa, você participante irá até um local de aplicação para fazer a prova do Enem Digital. E isso com todos os requisitos de segurança que existem também na aplicação do Enem Impresso.”
 

LOC.: Para o especialista em crimes digitais, José Antônio Milagre, o Inep é uma instituição conhecida por traçar protocolos de segurança suficientes para que não haja preconceito em relação à mudança da prova para o meio digital, mesmo porque diversas instituições no mundo já desempenham essa prática.

TEC./SONORA: José Antônio Milagre, especialista em crimes cibernéticos

“Existem hoje uma série de sistemas digitais de prova no mundo todo, não só para Ensino Médio, mas concurso, especificamente para certificações e que funcionam com absoluta segurança. Não conheço as medidas de segurança adotadas pelo Inep, não posso falar a respeito sem ver, mas se adotadas as medidas organizativas e técnicas, especialmente as previstas na ISO 27.001, que é a norma que estabelece o sistema de gestão de segurança em informação, pode sim conceber um sistema de avaliação online sem qualquer perigo aos candidatos ou à integridade do exame.”
 

LOC.: O Enem Digital vai seguir a mesma estrutura logística do Enem impresso. As provas serão aplicadas em locais definidos pelo Inep, sob as mesmas condições de segurança e sigilo. Serão quatro provas objetivas e a redação. Cada uma das provas terá 45 questões de múltipla escolha apresentadas na tela do computador. A redação, pelo menos nesta primeira edição, será realizada em formato impresso, nos mesmos moldes de aplicação e correção da versão em papel. Além disso, os participantes receberão folhas de rascunho nos dois dias de provas.

A inscrição do Enem é feita por meio digital. Nela, haverá um campo onde será solicitado do aluno a opção de modalidade preferida, se impresso ou digital. Se a opção for pelo Enem Digital, aparecerá quais municípios estão ofertando essa oportunidade e a quantidade de vagas ainda existentes para esse novo tipo de aplicação. Serão 100 mil vagas em 2020 e a ordem será a de inscrição, ou seja, os primeiros 100 mil a selecionarem o modelo.