SAÚDE: Brasil confirma 1.434 casos de microcefalia e outras alterações no sistema nervoso

Salvar imagem

REPÓRTER: O Ministério da Saúde confirmou mil 434 bebês nascidos com microcefalia ou outras alterações do sistema nervoso até o dia 21 de maio. Entre a medição anterior, até o dia 14 deste mês, e esta última, foram 50 casos a mais confirmados no país. Ao todo, foram sete mil 623 notificações desde o início do monitoramento, em outubro do ano passado, até o dia 21 de maio. De acordo com o Ministério da Saúde, dois mil 932 casos foram descartados e outros três mil 257 ainda estão sendo investigados.
 
A microcefalia é uma má-formação no cérebro que não tem cura e está relacionada ao Zika. O vírus é transmitido pelo Aedes aegypti, mosquito que também causa a dengue e a febre chikungunya. Por isso, a recomendação é que toda semana você separe alguns minutos para eliminar os focos do mosquito que podem existir em sua casa, como lembra o secretário executivo do Ministério da Saúde, Antônio Nardi.
 
SONORA: Antônio Nardi, secretário executivo do Ministério da Saúde
“Não se esqueçam: também devemos fazer a nossa parte, reservando 15 minutos por semana para fazer a ronda na nossa e acabar com os focos do Aedes aegypti. Envolva toda a sua família, amigos e vizinhos nessa luta. Um mosquito não é mais forte que um país inteiro”.
 
REPÓRTER: Os casos confirmados de microcefalia ocorreram em 25 estados e também no Distrito Federal. O maior número de confirmações da doença está na região Nordeste do país, que até o momento acumula mil 273 confirmações. O único estado que ainda não registra bebês com a má-formação cerebral é o Acre. Para saber dicas de como se proteger contra o Aedes e sobre as doenças que ele transmite, acesse o site: combateaedes.saude.gov.br
 
Reportagem, Bruna Goularte
Crédito da ilustração: Ministério da Saúde

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.