RECIFE (PE): Cidade está entre as 10 capitais brasileiras em alerta para epidemia de dengue

Recife está entre as 10 capitais brasileiras em situação de alerta para uma epidemia de dengue. Isso quer dizer que, apesar de ainda não haver focos suficientes para uma epidemia, a situação nessas cidades não deixa de ser preocupante. Por isso, é necessária uma atenção maior do poder público e da população

SalvarSalvar imagem

Tempo de áudio – 02'48''

REPÓRTER: Recife está entre as 10 capitais brasileiras em situação de alerta para uma epidemia de dengue. Isso quer dizer que, apesar de ainda não haver focos suficientes para uma epidemia, a situação nessas cidades não deixa de ser preocupante. Por isso, é necessária uma atenção maior do poder público e da população. A informação é do último Levantamento Rápido do Índice de Infestação pelo Aedes Aegypti, divulgado nesta semana pelo Ministério da Saúde. De acordo com o ministro da Saúde, Arthur Chioro, a pesquisa é utilizada para orientar as ações de controle da dengue.

SONORA: ministro da Saúde – Arthur Chioro

"Mostra não só as cidades, mas as regiões de cada cidade, qual é a área de maior risco. Ou se a situação é satisfatória ou se é uma situação de alerta. Identifica qual que é o tipo de depósito mais comum, se é o depósito domiciliar, se é lixo, se é armazenamento da água e, portanto, permite às prefeituras, às diferentes áreas, não só as secretarias de saúde, aos agentes de saúde, mas todos os setores e as próprias famílias, a própria sociedade, desencadear uma ação efetiva de controle tanto da dengue, quanto da Chikungunya. Afinal de contas, o mosquito transmissor é o mesmo".

REPÓRTER: O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, reforça que é essencial a participação da comunidade nas ações de prevenção para combater a dengue e a chikungunya.

SONORA: secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde – Jarbas Barbosa

"Como 80% dos focos de mosquito estão dentro dos domicílios, a mobilização da população tem um papel fundamental. O poder público tem que fazer sua parte. Tem que fazer remoção de lixo de terreno baldio. Tem que fiscalizar borracharia, ferro velho, esse tipo de lugar que pode reunir muito criadouro. Tem que ver praças, logradouros públicos. Mas esse trabalho em conjunto é onde a gente vê que tem um resultado importante no sucesso da mobilização das pessoas".

REPÓRTER: A funcionária pública Izolda Bezerra mora em Recife. Ela conta que toma as medidas de prevenção para evitar que a doença apareça na vizinhança e em todo o município.

SONORA: funcionária pública – Izolda Bezerra

"Eu tenho plantas em casa, mas é tudo na terra. E sempre escorro a água dos pratinhos, sempre estou lavando, limpando. E as bacias eu mantenho sempre fechadas. Mas eu acho que, até por uma questão, não sei, de higiene, então não tem, assim, nada com água que fique muito tempo. Às vezes eu coloco umas flores na água, nos vasos, mas eu troco a cada três dias no máximo essa água".

REPÓRTER: Neste ano, o Ministério da Saúde repassou aos estados e municípios cerca de um bilhão e 200 milhões de reais para ações de vigilância, prevenção e controle da doença em todo o país. Para saber mais, acesse www.saude.gov.br.

Reportagem, Fábio Ruas

Receba nossos conteúdos em primeira mão.