PERNAMBUCO: Sala de Situação reúne secretarias para ações de combate ao Aedes aegypti

SalvarSalvar imagem

REPÓRTER: Pernambuco criou uma sala de situação para reunir ações e traçar planejamentos no combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, da febre chikungunya e do vírus Zika. Além da Secretaria Estadual de Saúde, participam das reuniões representantes da Educação, das Forças Armadas, da Companhia de Distribuição de Água e de Tecnologia e Inovação. Os encontros acontecem semanalmente, em Recife, na sede da Secretaria de Saúde de Pernambuco.
 
 
No estado, até o momento, foram registradas cerca de 63 mil notificações de dengue, nove mil de Zika, 18 mil de chikungunya e duas mil de microcefalia. Os casos confirmados são: 10 mil 115 de dengue, 23 do vírus Zika, 389 de chikungunya e 333 de microcefalia, segundo o diretor-geral de Controle de Doenças e Agravos da Secretaria de Estado de Saúde, George Dimech.
 
 
É bom lembrar que a melhor forma de combater o Aedes aegypti é não deixar o mosquito nascer. Algumas medidas contribuem para isso, como não deixar água parada em vasos de plantas, pneus, garrafas e vasilhames em geral. Além disso, é importante receber os agentes de saúde e endemias quando eles visitarem a sua casa. O trabalho que eles fazem pode eliminar os eventuais focos que encontrarem. George Dimech reforça a importância desse trabalho.
 
 
SONORA: George Dimech, diretor-geral de Controle de Doenças e Agravos da Secretaria de Saúde de Pernambuco
 
 
“É importante que, além de aprender o que são as práticas necessárias pra evitar o nascimento e a reprodução do Aedes nas nossas casas, que a gente execute e transforme em rotina essas ações.”
 
 
 
REPÓRTER: Em Pernambuco, mais de 110 mil visitas de agentes de saúde e de endemias foram realizadas em imóveis do estado durante o terceiro ciclo de mobilização contra o mosquito, que ainda acontece em todo o país. Cerca de três mil e 500 profissionais pernambucanos trabalham para combater o Aedes nas propriedades do estado. No Brasil, são aproximadamente 266 mil agentes de saúde e quase 50 mil agentes de endemias para fazer esse trabalho preventivo.
 
 
 
Para saber mais sobre como proteger a sua família das doenças transmitidas pelo Aedes, acesse o site: combateaedes.saude.gov.br.
 
 
Reportagem, Ana Freire

Receba nossos conteúdos em primeira mão.