Ministério da Saúde garante abastecimento de equipamentos de proteção individual pelos próximos dois meses

Pasta fechou contrato para a aquisição de 300 milhões de unidades


O Ministério da Saúde anunciou nesta terça-feira (31) a aquisição de 300 milhões de unidades de equipamento de proteção de individual (EPIs) para evitar a disseminação da Covid-19. O material será distribuído para estados e municípios conforme a necessidade de cada localidade, e deve ser suficiente para o abastecimento pelos próximos 60 dias.

Os kits de proteção são destinados aos profissionais de saúde que estão frequentemente em risco de contágio da doença, além de unidades para o sistema prisional. A comercialização dos EPIs, segundo o Ministério da Saúde, voltou a estabilizar há cerca de 15 dias, após a reabertura de indústrias chinesas, e o Brasil enfrenta forte concorrência de outros países do mundo para aquisição dos equipamentos.

O governo federal ainda precisa organizar a logística para a chegada dos kits de proteção, mas sinalizou que pode enviar aviões de carga a China. Os fabricantes têm 30 dias para entregar o material.

Segundo o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, os equipamentos de proteção individual são essenciais para a manutenção da força de trabalho.

“Isso é uma condicionante, porque se nós não tivermos EPIs para os nossos recursos humanos, enfermeiros, médicos, todos que estão na linha de frente, nós se acelerássemos qualquer coisa e aumentássemos o número de casos, imediatamente perderíamos a força de trabalho”.

O ministro da Saúde também informou sobre o sistema para monitoramento do coronavírus no Brasil, que deve entrar em funcionamento em breve. De acordo com o titular da pasta, o sistema vai disparar ligações para cerca de 125 milhões com o objetivo de antecipar informações sobre grupo de risco e possíveis contato com pessoas infectadas, por exemplo.

Para o ministro Luiz Henrique Mandetta, o monitoramento vai funcionar como ferramenta de gestão de pessoas.

“A gente fez um algoritmo com disparo de ligações para 125 milhões de brasileiros, ligado em um grande data center, num grande big data, que a gente vem trabalhando nisso nos últimos 20 dias, para que o conjunto dessas informações a gente antecipe quem é risco, quem é quem tem contato com quem, onde é que tá, qual é o nome, e isso deve ser uma grande ferramenta de gestão de pessoas para a gente falar de mobilidade social”.

O Ministério da Saúde ainda atualizou os números do coronavírus no Brasil. Segundo os dados mais recentes, o número de mortes pela Covid-19 subiu para 201 – houve aumento de 42 mortes em relação ao último boletim.

O total de casos da doença chegou a 5.717, e a taxa de letalidade é de 3,5%. O Ministério da Saúde segue com a recomendação de isolamento social para evitar a disseminação do coronavírus.

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O Ministério da Saúde anunciou nesta terça-feira (31) a aquisição de 300 milhões de unidades de equipamento de proteção de individual (EPIs) para evitar a disseminação da Covid-19. O material será distribuído para estados e municípios conforme a necessidade de cada localidade, e deve ser suficiente para o abastecimento pelos próximos 60 dias.

Os kits de proteção são destinados aos profissionais de saúde que estão frequentemente em risco de contágio da doença, além de unidades para o sistema prisional. A comercialização dos EPIs, segundo o Ministério da Saúde, voltou a estabilizar há cerca de 15 dias, após a reabertura de indústrias chinesas, e o Brasil enfrenta forte concorrência de outros países do mundo para aquisição dos equipamentos.

O governo federal ainda precisa organizar a logística para a chegada dos kits de proteção, mas sinalizou que pode enviar aviões de carga a China. Os fabricantes têm 30 dias para entregar o material.

Segundo o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, os equipamentos de proteção individual são essenciais para a manutenção da força de trabalho.

TEC./SONORA: Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde.

“Isso é uma condicionante, porque se nós não tivermos EPIs para os nossos recursos humanos, enfermeiros, médicos, todos que estão na linha de frente, nós se acelerássemos qualquer coisa e aumentássemos o número de casos, imediatamente perderíamos a força de trabalho”.

LOC.: O ministro da Saúde também informou sobre o sistema para monitoramento do coronavírus no Brasil, que deve entrar em funcionamento em breve. De acordo com o titular da pasta, o sistema vai disparar ligações para cerca de 125 milhões com o objetivo de antecipar informações sobre grupo de risco e possíveis contato com pessoas infectadas, por exemplo.

Para o ministro Luiz Henrique Mandetta, o monitoramento vai funcionar como ferramenta de gestão de pessoas.

TEC./SONORA: Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde.

“A gente fez um algoritmo com disparo de ligações para 125 milhões de brasileiros, ligado em um grande data center, num grande big data, que a gente vem trabalhando nisso nos últimos 20 dias, para que o conjunto dessas informações a gente antecipe quem é risco, quem é quem tem contato com quem, onde é que tá, qual é o nome, e isso deve ser uma grande ferramenta de gestão de pessoas para a gente falar de mobilidade social”.

LOC.: O Ministério da Saúde ainda atualizou os números do coronavírus no Brasil. Segundo os dados mais recentes, o número de mortes pela Covid-19 subiu para 201 – houve aumento de 42 mortes em relação ao último boletim.

O total de casos da doença chegou a 5.717, e a taxa de letalidade é de 3,5%. O Ministério da Saúde segue com a recomendação de isolamento social para evitar a disseminação do coronavírus.