MATO GROSSO DO SUL: Em março, 83% de imóveis foram visitados no combate ao Aedes aegypti

SalvarSalvar imagem

REPÓRTER: Mato Grosso do Sul continua firme na luta contra o Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya e do vírus Zika. Na segunda fase da mobilização nacional de combate ao mosquito, que aconteceu em março, mais de 745 mil imóveis foram visitados por agentes de saúde e endemias, que orientam a população e ajudam a eliminar os criadouros do vetor de dentro de casa. Isso significa que 83 por cento das residências foram visitadas, no estado. Apesar disso, nem todos os moradores estão em casa ou aceitam receber o agente na hora da vistoria, e quase 100 mil imóveis que foram visitados não foram limpos, já que o profissional não pôde entrar para fazer o trabalho. O ciclo de mobilização e controle vai continuar até o mês de junho. Por isso, o Coordenador Estadual de Controle de Vetores, Mauro Rosário, afirma que é fundamental que todos os moradores abram as portas de casa. Para ajudar no combate, ele explica quais são os equipamentos que os profissionais utilizam para exterminar vetor.

 

SONORA: Mauro Rosário, Coordenador Estadual de Controle de Vetores

 

“Na visita domiciliar eles contam com o larvicida e o inseticida.O larvicida eles carregam na bolsa e é fornecido pelo estado. O inseticida é indepentende, pode ser do município ou do estado, mas ele só pode ser aplicado quando há ocorrências de casos.”

 

REPÓRTER: Em Mato Grosso do Sul, cinco bebês estão fazendo exames porque podem ter nascido com microcefalia, doença pode ser causada pelo Zika. O vírus é motivo de preocupação principalmente para as futuras mamães, já que a microcefalia é uma condição que não tem cura. Por isso, o Ministro da Saúde, Marcelo Castro, pede para que todas as pessoas pensem nas mães dessas crianças e ajudem a combater o mosquito.

 

SONORA: Ministro da Saúde, Marcelo Castro

 

“Imagine o que é uma mãe de família olhar para sua criança e vê-la com microcefalia e saber que essa criança nunca vai ter autonomia para se conduzir, que nunca vai ser independente e que vai precisar, para o resto de sua vida, de cuidados especiais. A única maneira que nós temos de evitar é eliminando o mosquito, porque você já elimina três doenças de uma vez só: a dengue, chikungunya e Zika.”

 

REPÓRTER: No Brasil, quase 29 milhões de imóveis já foram vistoriados. Além de receber a visita dos agentes de combate ao mosquito, toda a população precisa colaborar para não deixar água parada. Mais informações sobre como você pode ajudar a acabar com o Aedes podem ser encontradas na internet, no endereço: combateaedes.saude.gov.br

 

Reportagem, Bruna Goularte

 

Receba nossos conteúdos em primeira mão.