MATO GROSSO: Casos de Dengue, Chikungunya, Zika e Microcefalia aumentam no estado

Salvar imagem

LOC: A situação não é boa no Mato Grosso quando o assunto é a prevenção ao mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya.Segundolevantamento da secretaria Estadual de saúde, o número de casos suspeitos de Dengue, Chikungunya, Zika e microcefalia voltou a crescer no estado. De acordo com a secretaria, até o final de novembro, foram registrados 341 casos suspeitos de microcefalia, mais de 27 mil casos de Dengue, mais de 25 mil e 500 de Zika e mais de 1.400 de Chikungunya. Além disso, a capital Cuiabá, apresenta alto risco para todas as doenças, e por isso, é a única do país em situação de risco de acordo com os critérios do Ministério da Saúde. A coordenadora de vigilância em saúde ambiental do estado, Ludmila Sofia de Souza, reforça a gravidade deste cenário.
 
TEC/SONORA: Ludmila Sofia de Souza- a coordenadora de vigilância em saúde ambiental MT

“São doenças endêmicas que têm provocado os danos não só mais para saúde. Porque a Dengue tem uma evolução rápida e pode levar a óbito. O Zika vírus ainda tem esse agravante que pode discorrer uma microcefalia. E a Chikungunya, para completar. O que nos assusta na Chikungunya? Deixa a vítima por meses – até mesmo por anos – quase que inativa!”
 
LOC: ALarissa Nascimento, de 27 anos, mora em Sorriso. A estudante contraiu Dengue há cerca de três anos. Preocupada principalmente com a saúde do filho, ela conta quais cuidados toma para não ter focos do mosquito em casa.

TEC/SONORA: Larissa Nascimento, estudante

“Sempre cuidando. Olhando potes, se não têm água parada. Com relação às piscinas, estou sempre cuidando, estão sempre cobertas. Estamos sempre verificando, porque temos filho pequeno. Então, nós sempre cuidamos mais um pouco, porque se um adulto sofre, criança sofre mais ainda.”
 

LOC: Segundo a secretaria estadual de Saúde, além da capital, Várzea Grande, Araputanga, Castanheira, Cláudia, Itiquira, Nova Santa Helena, Ribeirãozinho e Tangará da Serra apresentam riscos preocupantes de infestação. Para saber mais informações sobre os métodos de prevenção ao mosquito e as doenças acesse saude.gov.br/combateaedes

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.