Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Ministério da Saúde

Hipertensão: doença afeta 24,7% da população que vive em capitais

24,7% da população que vive em capitais têm hipertensão.

Salvar imagemTexto para rádio

24,7% da população que vive em capitais têm hipertensão. O dado de 2018 é da pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas. Uma apuração feita pelo Ministério da Saúde, por meio de ligações telefônicas nas capitais do país e com maiores de 18 anos. Os idosos acima de 65 anos são os mais afetados. 60,9% dos entrevistados com essa idade disseram ter hipertensos. Olívia Medeiros, técnica da Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde, alerta que esta realidade preocupante.

“A hipertensão pode acarretar outros problemas de saúde. Está ligado a riscos de doenças do coração, a riscos do acidente vascular cerebral. E essas doenças que são decorrentes da hipertensão, especialmente a hipertensão não controlada, elas podem ter consequências muito ruins para a vida das pessoas, de diminuir a autonomia, deixar sequelas.”

Também conhecida como pressão alta, a hipertensão é uma doença crônica, que ocorre por causa dos altos níveis da pressão sanguínea nas artérias. Mas, ela pode ser prevenida com a prática regular de atividade física e uma alimentação baseada em alimentos in natura ou pouco processados, com baixa quantidade de sal, como explica Olívia Medeiros.

“Então à medida que a gente evita alimentos industrializados, a gente consegue ter uma alimentação saudável com mais facilidade. Esse é um fator importante”.

Em 2017, o Brasil registrou quase 142 mil mortes provocadas pela hipertensão ou outras doenças relacionadas a ela. Para saber mais sobre prevenção, acesse o Guia Alimentar para a População Brasileira, disponível no site do Ministério da Saúde. Ou confira a página temática saude.gov.br/hipertensao.

 

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

24,7% da população que vive em capitais têm hipertensão. O dado de 2018 é da pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas. Uma apuração feita pelo Ministério da Saúde, por meio de ligações telefônicas nas capitais do país e com maiores de 18 anos. Os idosos acima de 65 anos são os mais afetados. 60,9% dos entrevistados com essa idade disseram ter hipertensos. Olívia Medeiros, técnica da Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde, alerta que esta realidade preocupante.

“A hipertensão pode acarretar outros problemas de saúde. Está ligado a riscos de doenças do coração, a riscos do acidente vascular cerebral. E essas doenças que são decorrentes da hipertensão, especialmente a hipertensão não controlada, elas podem ter consequências muito ruins para a vida das pessoas, de diminuir a autonomia, deixar sequelas.”

Também conhecida como pressão alta, a hipertensão é uma doença crônica, que ocorre por causa dos altos níveis da pressão sanguínea nas artérias. Mas, ela pode ser prevenida com a prática regular de atividade física e uma alimentação baseada em alimentos in natura ou pouco processados, com baixa quantidade de sal, como explica Olívia Medeiros.

“Então à medida que a gente evita alimentos industrializados, a gente consegue ter uma alimentação saudável com mais facilidade. Esse é um fator importante”.

Em 2017, o Brasil registrou quase 142 mil mortes provocadas pela hipertensão ou outras doenças relacionadas a ela. Para saber mais sobre prevenção, acesse o Guia Alimentar para a População Brasileira, disponível no site do Ministério da Saúde. Ou confira a página temática saude.gov.br/hipertensao.

Erika Braz, para a Web Rádio Saúde