Foto: Divulgação/MDR
Foto: Divulgação/MDR

Seis cidades atingidas por desastres receberão R$ 8,3 milhões para ações de defesa civil

Municípios beneficiados estão localizados nos estados do Amazonas, Pará e Bahia


Seis cidades brasileiras atingidas por desastres naturais vão receber mais de R$ 8,3 milhões para investir em ações de defesa civil. As portarias com as liberações dos recursos foram publicadas na edição desta sexta-feira (1) do Diário Oficial da União (DOU).

Na Bahia, a cidade de Santa Inês, afetada por chuvas intensas, contará com R$ 4,6 milhões para a reconstrução de unidades habitacionais, enquanto Teolândia, atingida pelo mesmo desastre, terá R$ 258,6 mil para a reconstrução de calçadas.

No Amazonas, o município de Anamã receberá R$ 1,1 milhão para a compra de cestas básicas, kits de limpeza e de higiene pessoal, colchões, redes e combustível. Com a mesma finalidade, São Paulo de Olivença contará com R$ 910,3 mil. As duas cidades tiveram registros de inundações.

O mesmo desastre afetou o município de Curuá, no Pará, que terá R$ 583,2 mil para a compra de itens de assistência humanitária. Já a cidade de Mojuí dos Campos, também no Pará, foi afetada por chuvas intensas e contará com R$ 811,6 mil para a compra dos mesmos itens.

Como solicitar recursos federais

Após a concessão do status de situação de emergência pela Defesa Civil Nacional, os municípios atingidos por desastres estão aptos a solicitar recursos para atendimento à população afetada. As ações envolvem restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de equipamentos de infraestrutura danificados.

A solicitação deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com a especificação do montante a ser liberado.

Capacitações da Defesa Civil Nacional

A Defesa Civil Nacional oferece uma série de cursos a distância para habilitar e qualificar agentes municipais e estaduais para o uso do S2iD, a partir do Plano de Capacitação Continuada em Proteção e Defesa Civil. As capacitações têm como foco os agentes de proteção e defesa civil nas três esferas de governo. Confira neste link a lista completa dos cursos de capacitação.

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC: Seis cidades atingidas por desastres naturais vão receber mais de oito milhões e trezentos mil reais para investir em ações de defesa civil.

Na Bahia, Santa Inês e Teolândia, afetadas por chuvas intensas, contarão com recursos para a reconstrução de calçadas e de unidades habitacionais. 

Já no Amazonas, os municípios de Anamã e São Paulo de Olivença utilizarão os investimentos na compra de cestas básicas, kits de limpeza e de higiene pessoal, colchões, redes e combustível. As duas cidades tiveram registros de inundações. 

O mesmo desastre afetou o município de Curuá, no Pará.  Já a cidade de Mojuí dos Campos, no mesmo estado, foi atingida por chuvas intensas. Em ambos os casos, os recursos serão usados na compra de itens de assistência humanitária.

O ministro do Desenvolvimento Regional, Daniel Ferreira, explica de que forma os repasses da Defesa Civil Nacional podem ser aplicados em casos de desastres.

TEC/SONORA: Daniel Ferreira 

"Os recursos da Defesa Civil podem ser empregados naquele primeiro momento que acontece o desastre pra fazer assistência humanitária, pra dar kits de higiene, alimentação pras pessoas que foram atingidas, que enfrentam as consequências daquele desastre, bem como pra restabelecimento dos serviços essenciais, como, por exemplo, abastecimento de água e desobstrução de vias públicas. Além disso, nós também podemos utilizar o os recursos da Defesa Civil pra fazer reconstrução de infraestruturas públicas destruídas pelo desastre ou ainda de habitações destruídas pelo desastre"

LOC: A solicitação de recursos deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres, o S2iD, que pode ser acessado em s2id.mi.gov.br.

Reportagem, Manuela Rolim