Foto: Divulgação/Secretaria de Estado de Cultura do Rio do Janeiro
Foto: Divulgação/Secretaria de Estado de Cultura do Rio do Janeiro

Ministério da Cultura vai premiar Pontos de Leitura com investimento de R$ 9 milhões

As inscrições no Edital Pontos de Leitura devem ser feitas pelo sistema mapas da cultura, na internet, até o dia 18 de setembro


O Ministério da Cultura lançou o Edital Pontos de Leitura 2023. O objetivo é selecionar e premiar bibliotecas comunitárias que desenvolvem atividades de promoção e mediação de leitura, criação literária, ampliação do acesso à informação, à leitura e ao livro.

O edital vai distribuir R$ 9 milhões a até 300 projetos, sendo R$ 30 mil para cada um. A iniciativa é da Secretaria de Livro, Formação e Leitura.

As inscrições no Edital Pontos de Leitura devem ser feitas pelo sistema mapas da cultura, na internet, até o dia 18 de setembro.

É importante que os equipamentos contribuam para a valorização da prática leitora em contextos urbanos e rurais, considerando os povos e comunidades que representam a diversidade cultural brasileira.

A ministra da Cultura, Margareth Menezes, fala da iniciativa voltada às bibliotecas comunitárias, lembrando das primeiras vezes em que teve acesso ao livro, incentivada pela mãe, madrinha e padrinho. "Meu padrinho, quando eu tinha mais ou menos uns 6 ou 7 anos, me presenteou com o meu primeiro livro. Foi a armadilha que ele fez pra mim, a atração, me dava uma vontade, eu precisava ler o que era aquilo, e foi aí também que a leitura me pegou pelo encanto do que eu via. E depois dali ele começou a me apresentar, Tio Patinhas. Então, comecei minhas primeiras ações de leitura foi por aí, foi um presente de um livro do meu padrinho. e tive também a minha mãe e a minha madrinha que me ensinaram as primeiras letras”. 

Podem concorrer ao Edital Pontos de Leitura pessoas físicas maiores de 18 anos, pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, de natureza cultural e coletivos culturais não constituídos juridicamente.

De acordo com o secretário do Livro, Formação e Leitura, Fabiano Piuba, do Ministério da Cultura, o edital vai potencializar e fomentar a criação de uma rede nacional de pontos de leitura, entre outras iniciativas. Ele enumera, ainda, os benefícios de uma biblioteca comunitária para a população do seu entorno. “Um ponto de leitura é uma biblioteca viva, uma biblioteca comunitária e social tem seu canto, seu povo e seu lugar. Toda biblioteca comunitária é um território de políticas de livro e leitura. E a leitura é um direito de cidadania, de formação e de desenvolvimento humano. A leitura é um direito humano porque ela é fator indispensável de humanização, como preconiza o professor Antônio Candido, em seu ensaio direito à literatura. Toda biblioteca comunitária é um terreiro, é um território, é uma oficina, é um ateliê de leitura. Portanto, a biblioteca comunitária é um território de liberdade e de cidadania, ela é ponto de leitura, e sendo ponto de leitura, é também um ponto vital do corpo cultural brasileiro’. 

Lembrando que o edital voltado a bibliotecas comunitárias, lançado pelo Ministério da Cultura, vai premiar com R$ 30 mil, 300 espaços que desenvolvem atividades de promoção e mediação de leitura, criação literária e, ainda, a ampliação do acesso à informação, à leitura e ao livro. 

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

O Ministério da Cultura lançou o Edital Pontos de Leitura 2023. O objetivo é selecionar e premiar bibliotecas comunitárias que desenvolvem atividades de promoção e mediação de leitura, criação literária, ampliação do acesso à informação, à leitura e ao livro.

O edital vai distribuir R$ 9 milhões a até 300 projetos, sendo R$ 30 mil para cada um. A iniciativa é da Secretaria de Livro, Formação e Leitura.

As inscrições no Edital Pontos de Leitura devem ser feitas pelo sistema mapas da cultura, na internet, até o dia 18 de setembro.

É importante que os equipamentos contribuam para a valorização da prática leitora em contextos urbanos e rurais, considerando os povos e comunidades que representam a diversidade cultural brasileira.

A ministra da Cultura, Margareth Menezes, fala da iniciativa voltada às bibliotecas comunitárias, lembrando das primeiras vezes em que teve acesso ao livro, incentivada pela mãe, madrinha e padrinho.

sonora: 

“eu tive a sorte de ter uma mãe, de ser minha mãe uma pessoa simples, mas minha mãe ela foi criada por uma professora. na verdade, ela veio de ilha de maré, minha família era muito grande, a família de minha mãe. minha mãe tinha 19 irmãos. E quando a madrinha dela veio de Ilha de Maré morar na cidade, que era uma professora já, e trouxe minha mãe com ela. Então, essa pessoa alfabetizou a minha mãe e foi a responsável pelas minhas primeiras letras. Ela tinha uma caligrafia incrível minha madrinha, Maria José. E, com isso, meu padrinho, quando eu tinha mais ou menos uns 6 ou 7 anos, ele me presenteou com o meu primeiro livro. meu primeiro livro era um livro de capa dura, que contava a história de... foi a armadilha que ele fez pra mim, a atração, me dava uma vontade, eu precisava ler o que era aquilo, e foi aí também que a leitura me pegou pelo encanto do que eu via. E depois dali ele começou a me apresentar, Tio Patinhas... bem assim. então, comecei minhas primeiras ações de leitura foi por aí, foi um presente de um livro do meu padrinho. e tive também a minha mãe e a minha madrinha que me ensinaram as primeiras letras”.

Podem concorrer ao edital pontos de leitura pessoas físicas maiores dezoito anos, pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, de natureza cultural e coletivos culturais não constituídos juridicamente.

De acordo com o secretário do Livro, Formação e Leitura, Fabiano Piuba, do Ministério da Cultura, o edital vai potencializar e fomentar a criação de uma rede nacional de pontos de leitura, entre outras iniciativas. Ele enumera, ainda, os benefícios de uma biblioteca comunitária para a população do seu entorno.

sonora: 

“Esse edital, o nosso querido diretor já mencionou, é um investimento de nove milhões de reais, com trezentos prêmios de trinta mil reais, mas muito mais do que isso, é para a gente potencializar, fomentar e criar a rede nacional dos pontos de leitura e bibliotecas comunitárias em nosso país, gerando formação, intercâmbio, residências, dentre outras ações na promoção e, também, ampliação dos acervos de livros dessas bibliotecas. Um ponto de leitura é uma biblioteca viva, uma biblioteca comunitária e social tem seu canto, seu povo e seu lugar. Toda biblioteca comunitária é um território de políticas de livro e leitura. E a leitura é um direito de cidadania, de formação e de desenvolvimento humano. A leitura é um direito humano porque ela é fator indispensável de humanização, como preconiza o professor Antônio Candido, em seu ensaio direito à literatura. Toda biblioteca comunitária é um terreiro, é um território, é uma oficina, é um ateliê de leitura. Onde há uma biblioteca comunitária, um ponto de leitura, existem livros diversos. onde há uma biblioteca comunitária, existe a experiência vital da leitura. Onde há uma biblioteca comunitária, a literatura e a bibliodiversidade prosperam. onde há uma biblioteca comunitária, os saraus, os slams e os clubes de leitura são ativados. Onde há uma biblioteca comunitária, a vida e o convívio social pulsam. Onde há uma biblioteca comunitária, o espírito solidário resiste. Onde há uma biblioteca comunitária, o pensamento crítico e criativo transborda. Onde há uma biblioteca comunitária, a democracia é exercitada. Onde há uma biblioteca comunitária, as artes são incorporadas organicamente na vida das pessoas. Onde há uma biblioteca comunitária, existe a promoção da cidadania e da diversidade cultural. Portanto, a biblioteca comunitária é um território de liberdade e de cidadania, ela é ponto de leitura, e sendo ponto de leitura, é também um ponto vital do corpo cultural brasileiro’. 

Lembrando que o edital voltado a bibliotecas comunitárias, lançado pelo Ministério da Cultura, vai premiar com R$ 30 mil, 300 espaços que desenvolvem atividades de promoção e mediação de leitura, criação literária e, ainda, a ampliação do acesso à informação, à leitura e ao livro.