Foto: Arquivo/EBC
Foto: Arquivo/EBC

Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) registra 0,51% em maio

IPCA-15, cotado a 0,51%, apresenta queda de 0,06 ponto percentual (p.p) em relação ao mês anterior. Este mês apresentou a menor taxa acumulada em 12 meses desde outubro de 2020 e surpreende analistas

ÚLTIMAS SOBRE INFLAÇÃO


Segundo dados divulgados pelo IBGE nesta quinta-feira (25), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) apresentou alta de 0,51% maio, 0,06 ponto percentual (p.p.), ou 10,52%, abaixo da taxa registrada em abril (0,57%). No ano, o IPCA-15 acumula alta de 3,12% e, em 12 meses, de 4,07%, abaixo dos 4,16% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em maio de 2022, a taxa foi de 0,59%.

O resultado surpreendeu analistas, que esperavam uma inflação mais elevada neste mês. Com os resultados, esta é a menor inflação prévia mensal acumulada registrada desde outubro de 2020.  

Nove grupos de serviços e produtos foram pesquisados e sete tiveram alta no mês de maio, impulsionados principalmente por itens de Saúde e cuidados pessoais (1,49%), além de Alimentação e bebidas (0,94%). O aumento de saúde e cuidados pessoais foi principalmente puxado pelo aumento do preço nos produtos farmacêuticos (2,68%), além dos itens de higiene pessoal, influenciados principalmente pelos perfumes (2,21%). Já o aumento da alimentação e bebidas ocorre pela alta de alimentação no domicílio (1,02%). Destacam-se os aumentos nos preços dos tomates (18,82%), batata inglesa (6,60%), leite longa vida (6,03) e queijo (2,42%). Pelo lado das quedas estão o óleo de soja (-4,13%) e as frutas (-1,52%). 

Na sequência, os itens de maiores altas foram: 

  • Habitação: 0,43%;
  • Despesas pessoais: 0,40%;
  • Vestuário: 0,35%;
  • Educação: 0,07%;
  • Comunicação: 0,02%.

Os itens que tiveram queda foram artigos de residência (-0,28%) e transportes (-0,04%). 

Índices Regionais 

Quanto aos índices regionais, todas as áreas pesquisadas tiveram alta em maio. A maior variação foi registrada em Belo Horizonte, com 0,90%, sendo que a principal contribuição veio do ônibus urbano, com alta de 24,00%. A menor variação foi em Recife, com 0,19%, influenciada pela queda de 18,25% nas passagens aéreas e 3,46% na gasolina. 

Metodologia

O IPCA-15 difere do Índice de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA) no tempo da coleta dos dados e divulgação; além da menor abrangência geográfica. O IPCA-15 é coletado entre o dia 15 de um mês e o dia 15 do mês seguinte, e é considerado uma medida prévia de inflação. O IPCA é coletado ao longo de um mês corrente e é a medida oficial de inflação no país. 

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC: Segundo dados divulgados pelo IBGE nesta quinta-feira (25), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) apresentou alta de 0,51% maio, 0,06 ponto percentual (p.p.), ou 10,52%, abaixo da taxa registrada em abril (0,57%). No ano, o IPCA-15 acumula alta de 3,12% e, em 12 meses, de 4,07%, abaixo dos 4,16% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em maio de 2022, a taxa foi de 0,59%.

O resultado surpreendeu analistas, que esperavam uma inflação mais elevada neste mês. Com os resultados, esta é a menor inflação prévia mensal acumulada registrada desde outubro de 2020.  

Nove grupos de serviços e produtos foram pesquisados e sete tiveram alta no mês de maio, impulsionados principalmente por itens de Saúde e cuidados pessoais (1,49%), além de Alimentação e bebidas (0,94%). O aumento de saúde e cuidados pessoais foi principalmente puxado pelo aumento do preço nos produtos farmacêuticos (2,68%), além dos itens de higiene pessoal, influenciados principalmente pelos perfumes (2,21%). Já o aumento da alimentação e bebidas ocorre pela alta de alimentação no domicílio (1,02%). Destacam-se os aumentos nos preços dos tomates (18,82%), batata inglesa (6,60%), leite longa vida (6,03) e queijo (2,42%). Pelo lado das quedas estão o óleo de soja (-4,13%) e as frutas (-1,52%). 

Quanto aos índices regionais, todas as áreas pesquisadas tiveram alta em maio. A maior variação foi registrada em Belo Horizonte, com 0,90%, sendo que a principal contribuição veio do ônibus urbano, com alta de 24,00%. A menor variação foi em Recife, com 0,19%, influenciado pela queda de 18,25% nas passagens aéreas e 3,46% na gasolina. 

O IPCA-15 difere do Índice de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA) no tempo da coleta dos dados e divulgação; além da menor abrangência geográfica. O IPCA-15 é coletado entre o dia 15 de um mês e o dia 15 do mês seguinte, e é considerado uma medida prévia de inflação. O IPCA é coletado ao longo de um mês corrente e é a medida oficial de inflação no país. 

Reportagem: Luigi Mauri. Locução: Karina Chagas.