Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Créditos: Wenderson Araujo -CNA

Preço do boi volta a se recuperar após queda no início do mês

Outro destaque desta edição é a discussão dos novos parâmetros para produção de leite brasileiro


Eu sou Raphael Costa e, a partir de agora, você fica por dentro dos principais assuntos do agronegócio no Boletim Agro.

Depois de um início de mês em queda, o preço do boi gordo voltou a subir em junho. Pelo menos é o que aponta o índice da Esalq que acompanha essas movimentações.

Quem vai nos dar mais detalhes sobre essa movimentação no mercado é a Carla Mendes, do Notícias Agrícolas.

De quanto foi a recuperação e o que impulsionou isso, Carla?

“Essa recuperação vem, essencialmente, depois que os embarques à China foram retomados. O anúncio da liberação foi feito no último dia 13, o que eleva a demanda de novos lotes de animais e começam a trazer uma estabilidade e segurança de fôlego para o mercado de bois no Brasil. Até porque, se observarmos o início de junho, o indicador Cepea/Esalq chegou a acumular uma queda de até 5,4%, com cerca de R$ 10 a menos por arroba, registrando o pior patamar diário desde novembro de 2018.”

Segundo dados do Cepea, a cotação da arroba do boi gordo começou a quinta-feira (27) com alta de 0,29% no preço e o produto é negociado a R$ 153,95 no estado de São Paulo. No Norte de Minas Gerais, a arroba é vendida à vista a R$ 146. Já no Espírito Santo, o valor é R$ 141. O Sul da Bahia, por sua vez, comercializa a arroba a R$ 147 à vista.

Do boi, vamos para o leite. Uma audiência na Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural na Câmara dos Deputados vai abordar as novas regras para a produção de leite no Brasil. Em novembro do ano passado algumas novas regras foram acrescentadas, mas há mais coisa por vir. Qual o objetivo dessas mudanças, Carla?

“As mudanças entraram em vigor em maio de 2019. Agora estão voltando ao debate, já que foram, fixadas novas regras, e parte delas trata das características e da qualidade do leite na indústria e também alguns critérios que estão sendo definidos para a obtenção de um leite de qualidade e seguro para o consumidor. Então, todas essas mudanças e critérios englobam desde a organização da propriedade, até a capacitação dos responsáveis nas tarefas cotidianas, o que deve resultar num leite de melhor qualidade para o consumidor brasileiro e para a exportação.”

Obrigado pelos esclarecimentos, Carla. Quem quiser saber mais novidades do agronegócio é só acessar o Notícias Agrícolas, certo?

“Eu que agradeço, até a próxima. Aos ouvintes que quiserem saber mais, acessem noticiasagricolas.com.br

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Eu sou Raphael Costa e, a partir de agora, você fica por dentro dos principais assuntos do agronegócio no Boletim Agro.

Depois de um início de mês em queda, o preço do boi gordo voltou a subir em junho. Pelo menos é o que aponta o índice da Esalq que acompanha essas movimentações.

Quem vai nos dar mais detalhes sobre essa movimentação no mercado é a Carla Mendes, do Notícias Agrícolas.

De quanto foi a recuperação e o que impulsionou isso, Carla?
 

“Essa recuperação vem, essencialmente, depois que os embarques à China foram retomados. O anúncio da liberação foi feito no último dia 13, o que eleva a demanda de novos lotes de animais e começam a trazer uma estabilidade e segurança de fôlego para o mercado de bois no Brasil. Até porque, se observarmos o início de junho, o indicador Cepea/Esalq chegou a acumular uma queda de até 5,4%, com cerca de R$ 10 a menos por arroba, registrando o pior patamar diário desde novembro de 2018.”

Segundo dados do Cepea, a cotação da arroba do boi gordo começou a quinta-feira (27) com alta de 0,29% no preço e o produto é negociado a R$ 153,95 no estado de São Paulo. No Norte de Minas Gerais, a arroba é vendida à vista a R$ 146. Já no Espírito Santo, o valor é R$ 141. O Sul da Bahia, por sua vez, comercializa a arroba a R$ 147 à vista.

Do boi, vamos para o leite. Uma audiência na Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural na Câmara dos Deputados vai abordar as novas regras para a produção de leite no Brasil. Em novembro do ano passado algumas novas regras foram acrescentadas, mas há mais coisa por vir. Qual o objetivo dessas mudanças, Carla?
 

“As mudanças entraram em vigor em maio de 2019. Agora estão voltando ao debate, já que foram fixadas novas regras, e parte delas trata das características e da qualidade do leite na indústria e também alguns critérios que estão sendo definidos para a obtenção de um leite de qualidade e seguro para o consumidor. Então, todas essas mudanças e critérios englobam desde a organização da propriedade, até a capacitação dos responsáveis nas tarefas cotidianas, o que deve resultar num leite de melhor qualidade para o consumidor brasileiro e para a exportação.”

Obrigado pelos esclarecimentos, Carla. Quem quiser saber mais novidades do agronegócio é só acessar o Notícias Agrícolas, certo?

“Eu que agradeço, até a próxima. Aos ouvintes que quiserem saber mais, acessem noticiasagricolas.com.br ”