PLANALTINA (GO): População ainda questiona sobre uso de inseticidas no município e no estado

Pesquisas identificaram que a utilização de veneno não reduzia a infestação do mosquito. Pelo contrário, às vezes até aumentava. 

Salvar imagem

LOC: Goiás parou de usar inseticidas para combater o mosquito que transmite Dengue, Chikungunya e Zika. Pesquisas identificaram que, a utilização de veneno não reduzia a infestação do mosquito. Pelo contrário, às vezes até aumentava. Para combater o transmissor das doenças, o governo de Goiás diz que aposta na visita de casa em casa, feita pelos agentes de saúde e de endemias. Em Planaltina de Goiás, mais de 60 profissionais fazem esse trabalho. O Educador em Saúde, Miguel Rodrigues, explica porque os inseticidas não resolvem o problema.
 
SONORA: Miguel Rodrigues, Educador em Saúde.
 
“Temos que tirar da cabeça da população, aquilo que muita gente ainda tem hoje com relação a veneno. ‘Ah tem mosquito na casa liga que o pessoal vai jogar veneno’. E hoje se tem consciência que não é isso que resolve o problema. Você aplica veneno e oferece resistência aos vetores. Porquê você não eliminou o foco, o inseto na forma de larva. Quando essa larva se transformar, ela já se transforma resistente àquele veneno que você aplicou. Então, isso é algo que nós pedimos a população também. Esqueçam o uso do inseticida. Vamos partir para a eliminação mecânica, a eliminação do criadouro.”
 
LOC:  Goiás conseguiu reduzir em 19,07 por cento o número de casos de Dengue, em relação a 2015, mas ainda assim são mais de 148 mil casos notificados e 70 mil confirmados, segundo a Secretaria de Saúde. Juliana Alves, é agente de Saúde, em Goiânia, e diz que a população ainda tem dúvidas sobre o uso de inseticidas.
 
SONORA: Juliana Alves, agente de Endemias.  
 
“Eles não entendiam que a gente precisava eliminar o foco, e o mosquito também. Mas, incialmente, nosso principal papel é não permitir que as residências acumulem os focos. Mas até hoje a gente recebe muito questionamento em relação a isso. Só que aí é onde a gente entra com o processo de educação em saúde mesmo, explicando ao morador que para eliminar o problema não tem outro jeito. É eliminando o foco é não deixando que aconteça essa proliferação do mosquito. Então, é o trabalho continuo mesmo e diário. Insistimos muito com o morador em relação a isso.”
 
LOC: O Ministério da Saúde orienta que apenas 15 minutos por semana são suficientes para você verificar se em sua casa há locais ou objetos que podem servir de criadouro do mosquito que transmite Dengue, Chikungunya e Zika. Fique de olho nos pratinhos com vasos de planta, lixeiras, baldes, ralos, calhas, garrafas, pneus, brinquedos e até tampinhas de refrigerante. Tudo isso pode acumular água e servir para que o mosquito se reproduza Saiba mais sobre o transmissor na internet, no endereço saude.gov.br/combateaedes.

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.