Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

O ídolo Juan ergueu a taça como capitão em homenagem ao fim de carreira - Foto: reprodução Alexandre Vidal/Flamengo

Mengão derrota Vasco novamente e conquista o Carioca pela 35ª vez

William Arão e Vitinho fizeram os gols que deram o título estadual para o Rubro-Negro


Depois de meses de futebol nos principais estaduais do país, milhões de torcedores têm motivos de sobra para sorrir. No Rio de Janeiro, a festa foi da maior torcida do Brasil. Repetindo o mesmo dois a zero sobre o Vasco, o Flamengo foi o campeão Carioca de 2019, no Maracanã. William Arão no primeiro tempo e Vitinho no segundo, mostraram o domínio técnico em cima do cruzmaltino, que não estava com uma boa pontaria. Com o quatro a zero no placar agregado, o Mengão levou a melhor. O zagueiro Juan, que está perto de se aposentar, foi homenageado e ergueu como capitão a taça do estadual, a 35ª da história do clube.

Pelo Paulista, depois de um zero a zero apático no Morumbi, o Corinthians teve de suar a camisa dentro de casa, mas mostrou que manda em Itaquera. A vitória de dois a um em cima do São Paulo começou no primeiro tempo, quando o Timão abriu o placar com Danilo Avelar, de cabeça, aos 31 minutos. Mas ainda nos acréscimos da primeira etapa, Antony empatou a partida para o tricolor, após chute no canto de Cássio. 

Já próximo do fim do jogo, Vágner Love recebeu belo lançamento de Sornoza e pegou de primeira para estufar as redes de Tiago Volpi. Festa alvinegra e tricampeonato que não acontecia há 80 anos. Com o resultado, o Timão levou para a sala de troféus a 30ª taça do Paulistão.

No Baianão, deu Tricolor de Aço pra cima do Bahia de Feira. Com a Arena Fonte Nova lotada, o time da casa ganhou por um a zero, com gol de Gilberto. Como o primeiro jogo havia sido um a um, o dois a um no placar agregado deu o bicampeonato estadual para o time de Salvador, maior campeão do estado com 48 títulos.

O time alternativo do Athletico Paranaense foi outro que ganhou o estadual. E foi nos pênaltis que o Furacão levou a melhor para cima do Toledo. O placar de um a zero do primeiro jogo se repetiu, só que para o lado do Athletico. Nos pênaltis, jogadores dos dois times fizeram boas cobranças. E Khellven converteu a última delas para dar o título do Campeonato Paranaense de 2019 para o rubro-negro. 

Em Santa Catarina, a final de jogo único entre Avaí e Chapecoense teve fortes emoções na Ressacada. Com um golaço de Régis, pra Chape, e o empate de Alex Silva, pro Avaí, o um a um levou a partida para os pênaltis. Foi quando surgiu o árbitro de vídeo. O meia da Chape, Bruno Pacheco, chutou no travessão de Vladimir, e a bola quicou no chão. Segundo o VAR, não houve gol. Com o quatro a dois nas penalidades, o Leão da Ilha foi o grande campeão Catarinense de 2019.

Já pelo Campeonato Mineiro, o Atlético tentou reverter no sábado a derrota do primeiro jogo de dois a um para o Cruzeiro. No Estádio Independência, o Galo abriu o placar aos 29 minutos do primeiro tempo com Elias, de cabeça. O resultado dava o título para o Galo, mas no fim do jogo, o árbitro de vídeo ajudou o juizão a marcar pênalti no toque de mão de Léo Silva. O artilheiro Fred bateu no canto de Victor e garantiu o título da Raposa e seu 12º gol em 12 jogos no torneio. Cruzeiro, 38 vezes campeão mineiro.

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Depois de meses de futebol nos principais estaduais do país, milhões de torcedores têm motivos de sobra para sorrir. No Rio de Janeiro, a festa foi da maior torcida do Brasil. Repetindo o mesmo dois a zero sobre o Vasco, o Flamengo foi o campeão Carioca de 2019, no Maracanã. William Arão no primeiro tempo e Vitinho no segundo, mostraram o domínio técnico em cima do cruzmaltino, que não estava com uma boa pontaria. Com o quatro a zero no placar agregado, o Mengão levou a melhor. O zagueiro Juan, que está perto de se aposentar, foi homenageado e ergueu como capitão a taça do estadual, a 35ª da história do clube.

Pelo Paulista, depois de um zero a zero apático no Morumbi, o Corinthians teve de suar a camisa dentro de casa, mas mostrou que manda em Itaquera. A vitória de dois a um em cima do São Paulo começou no primeiro tempo, quando o Timão abriu o placar com Danilo Avelar, de cabeça, aos 31 minutos. Mas ainda nos acréscimos da primeira etapa, Antony empatou a partida para o tricolor, após chute no canto de Cássio. 

Já próximo do fim do jogo, Vágner Love recebeu belo lançamento de Sornoza e pegou de primeira para estufar as redes de Tiago Volpi. Festa alvinegra e tricampeonato que não acontecia há 80 anos. Com o resultado, o Timão levou para a sala de troféus a 30ª taça do Paulistão.

No Baianão, deu Tricolor de Aço pra cima do Bahia de Feira. Com a Arena Fonte Nova lotada, o time da casa ganhou por um a zero, com gol de Gilberto. Como o primeiro jogo havia sido um a um, o dois a um no placar agregado deu o bicampeonato estadual para o time de Salvador, maior campeão do estado com 48 títulos.

O time alternativo do Athletico Paranaense foi outro que ganhou o estadual. E foi nos pênaltis que o Furacão levou a melhor para cima do Toledo. O placar de um a zero do primeiro jogo se repetiu, só que para o lado do Athletico. Nos pênaltis, jogadores dos dois times fizeram boas cobranças. E Khellven converteu a última delas para dar o título do Campeonato Paranaense de 2019 para o rubro-negro. 

Em Santa Catarina, a final de jogo único entre Avaí e Chapecoense teve fortes emoções na Ressacada. Com um golaço de Régis, pra Chape, e o empate de Alex Silva, pro Avaí, o um a um levou a partida para os pênaltis. Foi quando surgiu o árbitro de vídeo. O meia da Chape, Bruno Pacheco, chutou no travessão de Vladimir, e a bola quicou no chão. Segundo o VAR, não houve gol. Com o quatro a dois nas penalidades, o Leão da Ilha foi o grande campeão Catarinense de 2019.

Já pelo Campeonato Mineiro, o Atlético tentou reverter no sábado a derrota do primeiro jogo de dois a um para o Cruzeiro. No Estádio Independência, o Galo abriu o placar aos 29 minutos do primeiro tempo com Elias, de cabeça. O resultado dava o título para o Galo, mas no fim do jogo, o árbitro de vídeo ajudou o juizão a marcar pênalti no toque de mão de Léo Silva. O artilheiro Fred bateu no canto de Victor e garantiu o título da Raposa e seu 12º gol em 12 jogos no torneio. Cruzeiro, 38 vezes campeão mineiro.

Reportagem, Pedro Marra