ITUBERÁ (BA): Apenas 7% das meninas entre 11 e 13 anos tomaram segunda dose da vacina contra HPV, no município

Meta do Ministério da Saúde é de imunizar 75% das meninas entre 11 e 13 anos, com segunda dose da vacina contra HPV, que está disponível nos postos de saúde, de Ituberá

Salvar imagem

REPÓRTER: Situado às margens do Rio Santarém, o município baiano de Ituberá é uma das cidades que não alcançaram a meta de vacinação em meninas, contra o vírus HPV. A meta estipulada pelo Ministério da Saúde, para a segunda fase da campanha é de 75 por cento das garotas de 11 a 13 anos de idade vacinadas. Segundo dados do próprio ministério, apenas sete por cento das adolescentes tomaram a segunda dose da vacina contra o HPV, em Ituberá. A vacina é a principal forma de prevenir o câncer do colo do útero. A doença é a quarta forma mais frequente de mortes entre mulheres no Brasil. As informações são do Instituto Nacional do Câncer, que estima mais de cinco mil e 300 novos casos da doença só na região Nordeste, em 2015. A imunização contra o HPV é aplicada em três doses, a segunda e a terceira doses são tão importantes quanto a primeira, como explica o diretor de Vigilância das Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Cláudio Maierovitch.
 
SONORA: Diretor de Vigilância das Doenças Transmissíveis, Cláudio Maierovitch
 
"A imunização ela é dada por uma vacina oferecida em três doses e as três doses são importantes. Então, ela é iniciada em meninas aos 11 anos de idade. Nós estamos iniciando com meninas de 11 e 13 anos de idade justamente para alcançar aquelas que já completaram 11 anos há mais tempo. Então neste momento da introdução da vacina, isso é um calendário um pouco estendido porque no futuro, nós manteremos apenas a primeira dose aos 11 anos de idade. Depois de tomar a primeira dose, ela recebe uma segunda dose de reforço. A dose única ela não é eficaz para produzir a proteção contra o HPV, por isso, as duas doses e uma terceira dose, cinco anos depois."
 
REPÓRTER: Em Ituberá são sete postos de saúde e sete unidade básicas de saúde disponíveis para a vacinação. As adolescentes não precisam de autorização dos pais para tomar a segunda dose contra o HPV, basta levar ao posto de saúde mais próximo o cartão de vacina ou a carteira de identidade.

Reportagem, Henrique Carmo

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.