HPV: Porto Velho, Ji-Paraná, Ariquemes e Cacoal estão mobilizadas para aplicar 2ª dose da vacina contra vírus

SalvarSalvar imagem

TEC: Trilha (BG).
 
LOC: As equipes de saúde das quatro maiores cidades de Rondônia estão em mobilização para ampliar a aplicação da segunda dose da vacina contra o Papiloma Vírus Humano, o HPV, em meninas e adolescentes com idades entre 9 e 11 anos. E esses municípios trabalham para superar as taxas de vacinação registradas na primeira fase da ação, iniciada em março deste ano. Na capital, de acordo com números do Ministério da Saúde, apenas 38 por cento das meninas da faixa etária foram protegidas no município. O vírus HPV é o principal causador do câncer do colo do útero, doença que mata mais de cinco mil mulheres por ano no país, segundo o Instituto Nacional do Câncer, o Inca. Por isso, é fundamental que as meninas que já tomaram a primeira dose, no começo do ano, retornem aos postos de saúde para tomar a segunda, como alerta a coordenadora de Imunizações de Porto Velho, Elizete Gomes. Ela explica que a secretaria municipal de Saúde está divulgando os benefícios da vacina nas escolas com objetivo de conscientizar as meninas a se protegerem.

TEC: coordenadora de Imunizações de Porto Velho, Elizete Gomes.
 
“A gente precisava de uma adesão melhor por parte dos pais, se tratando de uma vacina de uma importância fundamental em saúde pública né. Não só em proteção ao câncer de colo uterino, mas em proteção ao câncer de laringe, câncer genital, outros tipos de câncer e ainda é uma vacina super importante a nível de saúde pública.”
 
TEC: Sobe e Desce (BG).
 
LOC: A servidora pública e moradora da capital, Késsia Maia, já levou a filha Júlia para tomar a vacina contra o HPV. Ela revela que já teve câncer do colo do útero e teme pela saúde da filha.
 
TEC: Servidora Pública, Késsia Maia.
 
“Quando ela completou 9 anos, eu já levei ela logo para tomar a vacina para que ela ficasse protegida. Porque eu acho que essa prevenção é muito importante, porque a doença no colo do útero, o câncer no caso, ele é uma doença grave. É uma doença que pode levar à pessoa a morte. Eu no caso tive um tumor benigno no colo do útero, foi retirado meu colo. Eu acho que ela é um meio de proteger as mulheres do futuro.”
 
TEC: Sobe e Desce (BG).
 
LOC: A cidade de Ariquemes, a terceira mais populosa do estado, também precisa melhorar os números da vacinação contra o HPV. Até o momento a cidade protegeu, durante a primeira fase da vacinação, apenas 51 por cento das meninas. Em Ji-Paraná, segunda maior cidade de Rondônia, a vacinação está sendo realizada nas escolas públicas e particulares com objetivo de proteger três mil garotas. O diretor de Imunização de Ji-Paraná, Rafael Araújo, acredita que o município vai atingir 80 por cento do público alvo da vacinação, como estipula o Ministério da Saúde.
 
TEC: diretor de Imunização de Ji-Paraná, Rafael Araújo

“Na verdade aqui, por ser uma área especifica a gente ainda faz uma campanha de área rural, que iniciou agora na primeira semana de setembro, então a gente aguarda nesse período porque tem as escolas polo na área rural que também tem meninas nessa faixa etária da campanha. A meta repassada desta segunda etapa é um mínimo ai de 80% do público. A gente atingiu em torno aí de 60% desse público”.

LOC: Pais, mães e responsáveis por meninas de 9 a 11 anos de Cacoal também devem ficar atentos. As duas doses da vacina contra o HPV já estão disponíveis nos postos de saúde da cidade. O município vacinou, no começo do ano, com a primeira dose, 74 por cento das garotas nesta faixa etária, próximo da meta do Ministério da Saúde, e trabalha para repetir o feito nesta segunda etapa.
 
TEC: Sobe e Desce (BG).
 
LOC: A vacina contra o HPV é disponibilizada gratuitamente nas Unidades Básicas de Saúde do SUS ou em escolas parceiras. Ela foi introduzida no calendário nacional de vacinação no ano passado para atender meninas de 11 a 13 anos de idade. Este ano, o Ministério da Saúde está priorizando a vacinação de crianças e adolescentes de 9 a 11 anos. As meninas e adolescentes com 12 e 13 anos, que ainda não tomaram a primeira ou a segunda dose, também devem procurar as unidades de saúde para atualizarem o cartão de vacinação. A criança ou a adolescente deve tomar três doses para completar a proteção. Obtenha mais informações sobre a vacina contra o câncer do colo do útero e o HPV em uma unidade de saúde mais próxima de sua casa e no portal do Ministério da Saúde na Internet, www.saude.gov.br/hpv.

 


TEC: Encerra trilha (BG).

Receba nossos conteúdos em primeira mão.