Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Agência Brasil

BOLETIM AGRO: Tereza Cristina pede fim do tabelamento do frete

Ministra da Agricultura declarou nesta segunda (8) que considera a cobrança “perversa” e “um tiro no pé” para o setor produtivo


Olá, meu nome é Paulo Henrique Gomes e esta é mais edição do Boletim Agro, com as principais novidades do agronegócio no Brasil e no mundo.

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, afirmou nesta segunda-feira (8) que a tabela do frete, uma das reivindicações de caminhoneiros atendidas no fim de maio de 2018, é “perversa”. A jornalista do Notícias Agrícolas, Carla Mendes, é quem vai comentar essa declaração da ministra conosco.

“Essa questão do tabelamento do frete tem tido um grande impacto na agricultura desde que foi determinada, ainda no governo do Michel Temer, como uma alternativa de tentar atender aos pleitos dos caminhoneiros depois de uma greve seríssima que travou o Brasil. Claro que um dos setores mais agredidos por essa questão toda tem sido o agronegócio, uma vez que a maior parte da nossa produção é transportada pelo modal rodoviário, que é o modal que a gente mais usa no Brasil. E a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, se posicionou nesta segunda-feira, dia oito de abril, realmente contra essa questão do tabelamento. Ela classificou como “perversa” essa tabela. E na época em que foi constituída, a tabela foi considerada inconstitucional por muitos especialistas.”

Outro destaque do agro é que os produtores norte-americanos estão dando início à safra de grãos 2019/2020. As condições climáticas nos Estados Unidos preocuparam os produtores? Nos dê mais detalhes, Carla.

“Agora é o início do plantio da safra 2019/2020 de grãos dos Estados Unidos. E essas condições de frio intenso, a gente sabe que nos Estados Unidos quando a gente fala de frio intenso, a gente tá falando inclusive de neve. Neve em abril, o que é atípico para esse mês. A gente fala de muito frio, de temperaturas abaixo da normalidade para essa época do ano. E como eu disse, a presença de neve, a incidência de neve em alguns produtores. Com tudo isso, é impossível dar início ao plantio de forma adequada.”

Perfeito, Carla. E aqui no Brasil? Como está a relação da produção agrícola e o clima?

“Você tem ainda alguns alertas para a região chamada de “Matopiba”, que é uma região importante na produção de grãos, algodão, que são as regiões de Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia. Então, você ainda tem alguns alertas de elevados volumes para essa região que eu acabo de citar. O Maranhão e o Pará têm avisos de chuva inclusive de 50 milímetros por dia no acumulado. Isso é muita chuva. Algumas regiões dessas estão turbinando a sua colheita de soja e não conseguem finalizar o trabalho de campo justamente por conta desse excesso de chuvas.”

Obrigado pelos esclarecimentos, Carla. Quem quiser saber mais novidades do agronegócio é só acessar o Notícias Agrícolas, certo?

“É isso mesmo. Para que quiser saber mais sobre o agronegócio brasileiro e mundial: noticiasagricolas.com.br. Até a próxima, Paulo.”

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Olá, meu nome é Paulo Henrique Gomes e esta é mais edição do Boletim Agro, com as principais novidades do agronegócio no Brasil e no mundo.

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, afirmou nesta segunda-feira (8) que a tabela do frete, uma das reivindicações de caminhoneiros atendidas no fim de maio de 2018, é “perversa”. A jornalista do Notícias Agrícolas, Carla Mendes, é quem vai comentar essa declaração da ministra conosco.

“Essa questão do tabelamento do frete tem tido um grande impacto na agricultura desde que foi determinada, ainda no governo do Michel Temer, como uma alternativa de tentar atender aos pleitos dos caminhoneiros depois de uma greve seríssima que travou o Brasil. Claro que um dos setores mais agredidos por essa questão toda tem sido o agronegócio, uma vez que a maior parte da nossa produção é transportada pelo modal rodoviário, que é o modal que a gente mais usa no Brasil. E a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, se posicionou nesta segunda-feira, dia oito de abril, realmente contra essa questão do tabelamento. Ela classificou como “perversa” essa tabela. E na época em que foi constituída, a tabela foi considerada inconstitucional por muitos especialistas.”

Outro destaque do agro é que os produtores norte-americanos estão dando início à safra de grãos 2019/2020. As condições climáticas nos Estados Unidos preocuparam os produtores? Nos dê mais detalhes, Carla.

“Agora é o início do plantio da safra 2019/2020 de grãos dos Estados Unidos. E essas condições de frio intenso, a gente sabe que nos Estados Unidos quando a gente fala de frio intenso, a gente tá falando inclusive de neve. Neve em abril, o que é atípico para esse mês. A gente fala de muito frio, de temperaturas abaixo da normalidade para essa época do ano. E como eu disse, a presença de neve, a incidência de neve em alguns produtores. Com tudo isso, é impossível dar início ao plantio de forma adequada.”

Perfeito, Carla. E aqui no Brasil? Como está a relação da produção agrícola e o clima?

“Você tem ainda alguns alertas para a região chamada de “Matopiba”, que é uma região importante na produção de grãos, algodão, que são as regiões de Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia. Então, você ainda tem alguns alertas de elevados volumes para essa região que eu acabo de citar. O Maranhão e o Pará têm avisos de chuva inclusive de 50 milímetros por dia no acumulado. Isso é muita chuva. Algumas regiões dessas estão turbinando a sua colheita de soja e não conseguem finalizar o trabalho de campo justamente por conta desse excesso de chuvas.”

Obrigado pelos esclarecimentos, Carla. Quem quiser saber mais novidades do agronegócio é só acessar o Notícias Agrícolas, certo?

“É isso mesmo. Para que quiser saber mais sobre o agronegócio brasileiro e mundial: noticiasagricolas.com.br. Até a próxima, Paulo.”