Foto: Divulgação/Brasil Mineral
Foto: Divulgação/Brasil Mineral

IBRAM vê paralisação de operações como prevenção

Diversas mineradoras associadas ao Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM) e seus empregados agem solidariamente às vítimas atingidas pelas chuvas que atingem parte do país, como Minas Gerais e Bahia

Salvar imagem

O Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM) considera que a paralisação temporária das atividades de algumas operações em razão das chuvas em Minas Gerais tem caráter preventivo para minimizar qualquer tipo de risco às comunidades. O instituto acredita que o retorno às operações pode acontecer em breve, a depender da intensidade pluviométrica dos próximos dias. 

Caso a intensidade da chuva perdure por um curto período, o IBRAM estima que não haverá reflexos na variação do preço dos minérios e na oferta. O IBRAM informa que as mineradoras associadas têm sempre agido com cautela quando ocorrem fenômenos naturais, como o excesso de chuvas que é observado no Estado de Minas Gerais. 

Todas as estruturas que compõem as empresas – como barragens de rejeitos – estão sendo monitoradas 24 horas por dia e a qualquer sinal de anormalidade as autoridades são imediatamente comunicadas e medidas de emergência, como alertas, são tomadas imediatamente.

Mineradoras ajudam vítimas das chuvas 

Diversas mineradoras associadas ao Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM) e seus empregados agem solidariamente às vítimas atingidas pelas chuvas que atingem parte do país, como Minas Gerais e Bahia. “O papel social das empresas do setor mineral é apoiar as comunidades, promover a qualidade de vida e, também, dispor de seus recursos e seu pessoal de forma voluntária para prestar assistência nas horas difíceis, como é o caso agora”, diz Flávio Ottoni Penido, diretor-presidente do IBRAM. Ele lembra que o mesmo tem sido feito em relação à pandemia COVID-19: “O setor mineral foi um dos primeiros a agir em prol das pessoas e apoiar os governos e demais instituições na prevenção, na identificação e no tratamento da doença”.

Para apoiar as comunidades atingidas, AngloGold Ashanti, ArcelorMittal, Gerdau, Jaguar Mining, JMC Yamana Gold, Kinross, Largo Resources, Mineração Usiminas, Mosaic, Vale, entre outras – têm atuado em sintonia com as autoridades de cada estado e municípios, para oferecer respostas rápidas às demandas imediatas da população. As mineradoras têm doado cestas básicas, colchões, água mineral, kits de higiene pessoal e também equipamentos de proteção individual (EPIs), além do empréstimo de equipamentos como tratores, carros, barcos e caminhões para auxiliar nos resgates, limpeza de áreas e reabertura dos acessos de vias. 

O IBRAM ainda participa de uma ação realizada pelo Sistema FIEMG (Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais) em prol das pessoas atingidas pelas chuvas. São entregas de cestas básicas e kits de higiene pessoal distribuídos em 80 cidades da região que mais sofreram impactos com as tempestades da virada do ano. A definição dos municípios que receberão os donativos é feita conforme orientação da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (CEDEC), do Governo de Minas, e acompanhada pelas equipes regionais da FIEMG.

O IBRAM informa que todas as mineradoras associadas que operam barragens de rejeitos, onde as chuvas têm sido intensas, redobraram a atenção à segurança dessas estruturas. “Mineradoras anunciaram até mesmo interrupção temporária em algumas de suas operações onde as chuvas se mostram mais intensas, como forma de precaução e preocupação com a segurança”, conta o dirigente.

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.