SALVADOR (BA): Mais de 2 mil agentes estão nas ruas no combate ao Aedes

Forças Armadas estão ajudando na vistoria de mais de 1 milhão de imóveis

 

Salvar imagem

REPÓRTER: Mais de dois mil agentes de endemia, com a ajuda das Forças Armadas, vão intensificar combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, chikungunya e vírus Zika, nas ruas e bairros de Salvador. De acordo com a secretaria municipal de Saúde, a meta é visitar mais de um milhão de  imóveis na cidade para conscientizar a população sobre o combate aos focos do mosquito. Eliete Lima, 56 anos, trabalha em farmácia do bairro de Plataforma, um dos mais afetados pelos Aedes. Ela conta que recebeu orientações de prevenção ao mosquito em vistoria de agentes de saúde na loja. Para a balconista, é importante a população receber esses profissionais de braços abertos.

 SONORA: Eliete Lima, balconista

"É importante que essas pessoas recebam bem o pessoal que faz essa fiscalização. Além de estar nos ajudando, estão evitando, também, doenças. É importante pra evitar que esse mosquito se reproduza, evitar que a pessoa guarde objetos que possam conter água parada dentro de casa. Evita essas doenças.”

REPÓRTER: Os mutirões de visita, em Salvador, começaram no último dia 15. Apenas em três dias, segundo dados da secretaria municipal de Saúde, os agentes de combate ao Aedes conseguiram visitar 24 mil imóveis, na cidade. Além de Plataforma, Boa Viagem e Periperi, também são bairros que registram altos índices de infestação do mosquito. A informação é da Coordenadora do Programa Municipal do Controle da Dengue, Isabel Guimarães. A gestora explica a importância da fiscalização dos agentes, que estão diariamente nas ruas, e pede a parceria da população na guerra contra o mosquito.

SONORA: Isabel Guimarães, Coordenadora do Programa Municipal do Controle da Dengue

“Muitas vezes as pessoas pensam que não têm focos do mosquito em casa, mas quando o agente entra, ele acaba descobrindo - em função desse treinamento, dessa capacitação que eles têm e da experiência nessa identificação. Então, nesse momento, é fundamental que a população seja parceira e abra as portas para os agentes de combate às endemias.”

REPÓRTER: Uma dica importante é combater e checar os focos do mosquito Aedes uma vez por semana. A principal forma de se proteger do Zika e microcefalia, da dengue e chikungunya é impedir que o mosquito nasça, como lembra o ministro da Saúde, Marcelo Castro.

SONORA: Marcelo Castro, Ministro da Saúde

O que a gente precisa ter a compreensão é a de que é um trabalho que é duradouro, que nós não vamos eliminar o mosquito de uma hora para outra e que é preciso ser uma ação continuada, rotineira, sistemática.”

REPÓRTER: De acordo com o Ministério da Saúde, 70 por cento da população do Aedes Aegypti nasce dentro de casa. A participação de toda a população nessa luta é fundamental para acabar com a infestação do mosquito. Saiba mais na internet, no endereço combateaedes.saude.gov.br

Reportagem, Bruna Goularte

 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.