OPERAÇÃO: Justiça nega liberdade de presos por madeira ilegal

A Justiça Federal negou habeas corpus para quatro presos na operação Madeira Limpa, que desarticulou uma quadrilha de extração e comércio ilegal de madeira em municípios do Pará, além de Manaus e Florianópolis. 

SalvarSalvar imagem

REPÓRTER: A Justiça Federal negou habeas corpus para quatro presos na operação Madeira Limpa, que desarticulou uma quadrilha de extração e comércio ilegal de madeira em municípios do Pará, além de Manaus e Florianópolis. As decisões são do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília. A quadrilha é acusada de coagir trabalhadores rurais a aceitarem a exploração ilegal de madeira dos assentamentos do oeste paraense em troca da manutenção de direitos básicos, como o acesso a créditos e programas sociais. O prejuízo mínimo estimado ao patrimônio público é de aproximadamente trinta e um milhões de reais. As denúncias contra os quatro envolvidos e mais 26 acusados foram encaminhadas pelo Ministério Público Federal à Justiça. Os crimes são de estelionato, falsidade ideológica, receptação ilegal, corrupção passiva e ativa, apresentação de documentos falsos, violação de sigilo profissional, advocacia administrativa e crimes ambientais. As penas para esses crimes podem chegar até 12 anos de prisão e multa. Em determinados casos, podem ser aumentadas pela quantidade de vezes que os crimes forem cometidos.

Com informações do Ministério Público Federal no Pará, reportagem Thamyres Nicolau

Receba nossos conteúdos em primeira mão.