MATO GROSSO DO SUL: Mais de 81 mil meninas de 9 a 11 anos devem receber a segunda dose da vacina contra HPV no estado

Salvar imagem

TEC: Trilha (BG).
 
LOC: Mães, pais e responsáveis de meninas entre 9 e 11 anos de idade de Mato Grosso do Sul devem ficar atentos. As Unidades Básicas de Saúde do SUS de todo estado estão em mobilização para a aplicação da segunda dose da vacina contra o Papiloma Vírus Humano, o HPV, vírus que é um dos principais responsáveis pelo surgimento do câncer do colo do útero nas mulheres adultas. A expectativa do Ministério da Saúde é de que sejam vacinadas mais de 81 mil jovens dessa faixa etária no estado. Neste ano, pouco mais de 40 mil adolescentes tomaram a primeira dose da vacina contra HPV no Mato Grosso, até o mês de agosto, segundo dados do Ministério. Em todo o estado, 29 cidades registraram, na primeira etapa da mobilização, taxas vacinais médias inferiores a 25%. Fazem parte deste grupo os municípios de Parnaíba, Bataguassu, Inocência, Ribas do Rio Pardo e Água Clara, na região Leste. Na outra ponta do estado, destaca-se pelo baixo índice de vacinação a cidade de Corumbá. A capital Campo Grande também registra baixas taxas, conforme dados do Ministério. Para chegar a mais meninas, nesta segunda fase de mobilização, a secretaria estadual de saúde recomenda aos municípios sul-mato-grossenses se aliarem às escolas. Segundo a coordenadora da área de imunização estadual, Kátia Barbosa, esta ação garantiu o sucesso da vacinação, no ano passado, quando todas as meninas foram imunizadas. Kátia Barbosa informa que as cidades sul-mato-grossenses já estão se mobilizando para que mais meninas sejam vacinadas com a segunda dose em sala da aula.
 
TEC: Kátia Barbosa, coordenadora a área de imunização do Estado.
 
“Os municípios estão buscando fazer a vacinação nas escolas, fazer um chamado para informar da importância da vacina. Sensibilizar as mães e as próprias meninas da importância da vacinação para tentar alcançar essa cobertura.”
 
 
TEC: Sobe e desce BG.
 
LOC:  Maria Eduarda, moradora da capital Campo Grande, tem 12 anos e, no início do ano, tomou a primeira dose. A menina ficou sabendo da importância da prevenção contra o HPV na escola e, lá mesmo, tomou a vacina.

TEC: Maria Eduarda, estudante de Campo Grande.
 
“Os professores falaram que a vacina era importante e eu fui lá e tomei. Eles chamaram, falaram que a gente podia ir.” 
 
LOC: Consciente da importância da vacina, Maria Eduarda faz questão de dizer o que falaria para todas as meninas que ainda não tomaram a vacina contra o Papiloma Vírus Humano, o HPV.
 
TEC: Maria Eduarda, estudante de Campo Grande.

“Falaria para elas tomarem a vacina para não ficarem doentes”
 
TEC: Sobe e desce BG.
 
LOC: A coordenadora da área de imunização do estado, Kátia Barbosa, ressalta que o surgimento do câncer do colo do útero, causado pela infecção por HPV, se manifesta, normalmente, na fase adulta e que a vacina tem eficácia comprovada quando tomada dentro da faixa etária da mobilização. Kátia Barbosa reforça o convite para a vacinação.
 
TEC: Kátia Mougenot Barbosa Lima, coordenadora a área de imunização do Estado.

“O convite para que essas meninas façam a vacina é dada da importância das doenças que ela previne, principalmente a questão do câncer de colo uterino, que é uma doença que o maior risco não é nesta faixa etária, obviamente é lá na fase adulta, mas que já está comprovada a importância da vacina para reduzir o número de casos de câncer de colo uterino. E também, a vacina de HPV não é só para isso, mas para o próprio HPV, que causa outros sintomas também desconfortáveis e que podem marcar a vida de uma mulher.” 
 
TEC: Sobe e desce BG.
 
LOC: A vacina é disponibilizada gratuitamente nas Unidades Básicas de Saúde do SUS ou em escolas parceiras. Ela foi introduzida no calendário nacional de vacinação no ano passado para atender meninas de 11 a 13 anos de idade. Este ano, o Ministério da Saúde está priorizando a vacinação de crianças e adolescentes de 9 a 11 anos. As meninas e adolescentes com 12 e 13 anos, que ainda não tomaram a primeira ou a segunda dose, também devem procurar as unidades de saúde para atualizarem o cartão de vacinação. A criança ou a adolescente deverá tomar três doses para completar a proteção. Quem recebeu a primeira dose deve receber agora a segunda dose, administrada seis meses depois da primeira, e a terceira, cinco anos após a primeira dose. A meta do Ministério da saúde é de que até o final do ano, 80% das meninas com idade entre 9 e 11 estejam vacinadas. Se você é mãe, pai ou responsável por menina nesta idade, leve-a a uma Unidade de Saúde e leve junto o cartão de vacinação. A vacina é o único meio de garantir a proteção contra o HPV pelo resto da vida. Obtenha mais informações sobre a vacina contra o câncer do colo do útero e o HPV em uma unidade de saúde mais próxima de sua casa e no portal do Ministério da Saúde na Internet, www.saude.gov.br/hpv.

TEC: Encerra trilha (BG).

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.