LAVA JATO: STF homologa delação de Delcídio do Amaral que cita Dilma e Lula

Salvar imagem

REPÓRTER: O Supremo Tribunal Federal homologou, nesta terça-feira, a delação premiada do senador Delcídio do Amaral, do PT do Mato Grosso do Sul, e ex-líder do governo Dilma Rousseff no Senado. Delcídio foi flagrado pelos delegados da Polícia Federal em novembro do ano passado oferecendo fuga para ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, preso na operação Lava Jato. O senador ficou 87 dias preso e fez acordo de delação premiada com a Justiça. O depoimento do petista vazou na imprensa pela revista Isto É. Aos delegados da Polícia Federal, Delcídio citou a presidente Dilma e ex-presidente Lula. Na delação, Delcídio do Amaral afirma que o ex-presidente Lula tinha conhecimento do esquema de corrupção na Petrobras e que a atual presidente Dilma Rousseff agiu para interferir nas investigações da Lava Jato. O ex-líder do governo no Senado, afirmou que Lula foi o mandante do pagamento de dinheiro para tentar comprar o silêncio de testemunhas da Lava Jato. Já a presidente Dilma, segundo relato de Delcídio, agiu para manter na Petrobras os diretores comprometidos com o esquema de corrupção na estatal. O senador garante que Dilma teve participação efetiva na nomeação de Nestor Cerveró para a diretoria da BR Distribuidora. A presidente também teria nomeado para o Superior Tribunal de Justiça um ministro que se comprometeu a votar pela soltura de empreiteiros já denunciados pela Lava Jato. Além disso, Delcídio do Amaral afirmou que a campanha presidencial de Dilma em 2010 foi feita através de uma das maiores operações de “caixa dois” realizada através do empresário Adir Assad. Esta semana, a Isto É voltou a publicar trechos da delação de Delcídio que, segundo a publicação, a ex-ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, teria sido a principal operadora de um desvio de 45 milhões de Reais das obras da usina hidrelétrica de Belo Monte para campanhas eleitorais do PT e PMDB. Além disso, ainda segundo a publicação de Isto É, Delcídio relatou que Erenice Guerra e os ex-ministros Silas Rondeau, do governo Lula, e Antonio Palloci, dos governos Lula e Dilma, teriam movimentado cerca de 25 bilhões de Reais e desviado 45 milhões dos cofres públicos para o PT e PMDB, em 2010 e 2014. A homologação da delação premiada de Delcídio do Amaral foi feita pelo ministro do STF, Teori Zavascki.
 
Reportagem, Cristiano Carlos

 

 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.