IGARAPÉ-MIRI (PA): Justiça nega liberdade a ex-prefeito

Conforme as investigações do Ministério Público, o ex-prefeito teria criado o grupo de extermínio e empresas de fachada, além de esquemas fraudulentos em procedimentos licitatórios para enriquecimento pessoal.

SalvarSalvar imagem

 

REPÓRTER: Por decisão unânime, os desembargadores negaram habeas corpus liberatório ao ex-prefeito de Igarapé Miri, Ailson Santa Maria do Amaral, acusado de liderar um grupo de extermínio no município. A defesa do acusado alegou constrangimento ilegal por ausência de fundamentação dos motivos que ensejaram a sua prisão preventiva. No entendimento do relator do processo, desembargador Leonam Gondim da Cruz Júnior, no entanto, a decretação da prisão está bem fundamentada, em razão da comprovada periculosidade do acusado e da gravidade das condutas criminosas no município. De acordo com o processo, as acusações são de prática de vários homicídios, tentativas de homicídio, denunciação caluniosa, ameaça, dentre outros crimes, que teriam iniciado ainda em 2012, quando era candidato ao cargo de prefeito de Igarapé- Miri e que teriam continuado após o réu ser eleito. Ailson foi preso na operação Falso Patuá, desencadeada pelo Ministério Público e Polícia Civil, quando também foram cumpridos vários mandados de busca e apreensão. Conforme as investigações do Ministério Público, o ex-prefeito teria criado o grupo de extermínio e empresas de fachada, além de esquemas fraudulentos em procedimentos licitatórios para enriquecimento pessoal.
 
Com informações da coordenadoria de imprensa do TJPA, reportagem, Storni Jr.

Receba nossos conteúdos em primeira mão.