HPV: Cidade no interior de São Paulo dá exemplo de mobilização para vacina contra o HPV

HPV: Cidade no interior de São Paulo dá exemplo de mobilização para vacina contra o HPV

Salvar imagem

Tempo do áudio -  03min05seg

REPÓRTER: Para fazer com que as meninas entre 11 e 13 anos tomem a vacina contra o HPV, que previne contra o câncer do colo do útero, a coordenadora de Vigilância Epidemiologia de Ourinhos, em São Paulo, Lilian Sionéia, mobilizou as equipes de saúde para vacinarem as jovens nas escolas. A estratégia deu certo e praticamente todas as meninas da cidade tomaram a vacina.

SONORA: coordenadora de Vigilância Epidemiologia de Ourinhos (SP) – Lilian Sionéia

"Eu acho que onde tem estratégia da família, não pode ter ninguém sem vacinar. Tem que visitar e conversar com a família, ficar amigos e ver os documentos. Nossa estratégia aqui em Ourinhos foi ir às escolas, desta fez para a segunda dose. Porque foi um sucesso a primeira dose, nós vacinamos quase todas as meninas adolescentes nas escolas. Nós enviamos esquipe escola por escola, e na segunda faze eu alcancei quase 101% das meninas de 13 anos."

REPÓRTER: Para a coordenadora substituta do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde, Ana Gorete Kalume, a iniciativa da Lilian Sionéia deve servir de exemplo para todos os municípios na hora de mobilizar a população para vacinar as meninas entre 11 e 13 anos contra o HPV, e assim combater o câncer do colo do útero.

SONORA: coordenadora substituta do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde – Ana Gorete Kalume

"É um trabalho fantástico feito pela Lilian de Ourinhos, São Paulo, incentivando as adolescentes a buscarem a vacina contra o HPV nas Unidades de Saúde ou nas escolas. Ou seja, ela incentivou via os agentes comunitários de saúde, passando informações importantes para esse público para que eles possam se proteger contra uma doença que mata muito no Brasil que é o câncer de colo de útero. Esse é um trabalho extremamente importante que merece ser amplificado e copiado nos municípios brasileiros."

REPÓRTER: A primeira dose da vacina foi dada em março. A segunda dose começou a ser aplicada em setembro e continua sendo oferecida às meninas que têm entre 11 e 13 anos. Ainda será necessária a terceira dose, que deverá ser aplicada cinco anos depois da primeira, ou seja, em março de 2019. A coordenadora substituta do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde, Ana Gorete Kalume, lembra que é fundamental  que as meninas tomem as três doses da vacina contra o HPV para garantir a proteção contra o câncer do colo do útero.

SONORA: coordenadora substituta do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde – Ana Gorete Kalume

"A vacinação contra o HPV são em três doses. A primeira e depois a segunda seis meses e a terceira em cinco anos. E é importante destacar que a menina só estará protegida do câncer do colo do útero, se tomar as três doses. Então, essa segunda dose que nós estamos dando agora, é de fundamental importância para que as adolescentes possam estar protegidas contra essa doença que hoje é a terceira causa de morte no país."

REPÓRTER: O câncer do colo do útero mata atualmente 14 mulheres por dia no Brasil. As meninas com idade entre 11 e 13 anos, que receberem as três doses da vacina contra o HPV podem ser a primeira geração livre da doença. Para saber mais, acesse www.saude.gov.br

Reportagem, Diane Lourenço

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.