EDUCAÇÃO: Especialistas do Amazonas discutem Base Nacional Comum Curricular

Salvar imagem

 
REPÓRTER: Professores, alunos e especialistas em educação do Amazonas discutem na semana que vem pontos da Base Nacional Comum Curricular, documento que vai definir quais são os conteúdos mínimos que devem ser ensinados aos alunos de toda a educação básica brasileira. O seminário acontece nos dias 2 e 3 de agosto. Durante o encontro, os participantes vão opinar sobre o que deve ser excluído ou acrescentado ao texto da base, bem como argumentar sobre o porquê de os temas serem mudados. A presidente da Comissão Estadual de Mobilização da BNCC, Vera Lúcia Lima, explica que o seminário trará grandes contribuições, porque vai reunir o olhar de representantes de todos os envolvidos na educação amazonense.
 
SONORA: Vera Lúcia Lima, presidente da Comissão Estadual de Mobilização da Base Nacional Comum Curricular
“A gente vai ter, no mesmo espaço, o olhar das universidades, que fazem a formação inicial do professor. O olhar do professor, que está na sala de aula, ministrando o componente curricular. O olhar de todas as entidades vinculadas à educação e o olhar dos alunos do Ensino Médio. Em um documento que vai pautar o currículo da rede estadual, municipal e da rede privada”.
 
REPÓRTER: A primeira versão da Base Nacional Comum Curricular não foi consenso entre acadêmicos, educadores e especialistas na área. A segunda versão tem mais de 600 páginas, o dobro da primeira. Na avaliação do presidente da Câmara de Educação Básica da Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino, Samuel Lara, a BNCC deveria ser mais enxuta e propor apenas aquilo que é básico para a educação.
 
SONORA: presidente da Câmara de Educação Básica, da Confenen, Samuel Lara
 “A possibilidade de redução no número de disciplinas e que os conteúdos estivessem focados com maior objetividade para formação do aluno e não pensando na sua avaliação. O aluno termina o ensino médio sendo avaliado como se ele já tivesse que ter um conhecimento necessário ao ensino superior. Na verdade, ele estudou a base para ele entrar no ensino superior.”
 
REPÓRTER: Depois que as discussões terminarem no Amazonas, o estado tem até o dia 5 de agosto para enviar um relatório sistematizado para Conselho Nacional de Secretários de Educação, Consed, e à União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação, Undime. As duas entidades vão desenvolver um relatório único, que deve ser entregue até o fim de agosto ao Ministério da Educação.
 

 

Reportagem, Bruna Goularte

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.