EDUCAÇÃO: Crise econômica promove “fuga” de alunos da escola particular

A cada 10 novas matriculas na rede pública de educação, 9 são de alunos que vão sair da escola particular, em São Paulo

SalvarSalvar imagem

REPÓRTER: A crise econômica e a desvalorização do salário do trabalhador promovida pela alta da inflação estão obrigando muitos pais a retirar os filhos da escola particular, em todo país. No estado de São Paulo, por exemplo, a cada 10 novas matrículas na rede de ensino pública, nove são de alunos que estão saindo da escola privada. Os números são da secretaria Estadual de Educação de São Paulo. A empresária Roberta Coppi, é mãe de dois filhos, Diego e Manuela. Ela conta que optou em levar as crianças para a escola pública porque o descontrole das contas do governo Federal obrigou as escolas particulares a aumentar as mensalidades.
 
SONORA: empresária e mãe, Roberta Coppi.
 
“Realmente estou mudando. Eu já fiz a inscrição dos dois no Disque Matrícula. Primeiramente porque a mensalidade aumentou absurdamente na escola. Do Diego aumentou quase 200 Reais e da Manu, 100 Reais. Então, a gente não tem, nos dias de hoje, condição de pagar quase três mil Reais na escola.”
 
REPÓRTER: Outra família que não vai ter condições de financiar os estudos das crianças na escola particular é a da publicitária Ana Carolina Viana. Ela confirma que, a alta da inflação corroeu o poder de compra do salário e por isso, está sendo obrigada a matricular o filho na escola pública.
 
SONORA: Ana Carolina Viana, Publicitária, Brasília
 
“Ficou muito acima do que posso estar pagando. Então, eu já fiz a inscrição na rede pública. O resultado sai em dezembro. Se, ele for contemplado, ele vai para a rede pública.”
 
REPÓRTER: Para 2016, as escolas particulares devem reajustar as mensalidades entre 10 e 15 por cento, de acordo com a Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino, a Confenen. As altas da inflação e dos impostos promovidas pelo governo Federal e a Lei da Inclusão Plena, que passa a valer em 2016, são os principais motivos para o reajuste. O presidente da Confenen, Roberto Dornas, acredita que, o alto número de transferências da escola particular para a pública também contribui para o reajuste das mensalidades.
 
SONORA: presidente da Confenen, Roberto Dornas
 
“O valor da anuidade é calculado da seguinte forma: toma-se o custo total da escola ou do curso e divide pelo número de alunos pagantes. Se, o número de alunos pagantes diminui evidente que na divisão vai se achar um valor maior.”
 
REPÓRTER: No ano passado, São Paulo teve 195 mil novas matrículas nas escolas da rede pública. Até agora, esse número já foi superado em quase 100 mil novas inscrições, segundo a secretaria Estadual de Educação. Apenas na educação básica, as escolas particulares contavam com mais de 45 mil alunos em todo país, de acordo com a Confenen.
 
Reportagem, Cristiano Carlos

 

 

Receba nossos conteúdos em primeira mão.