CONSCIENTIZAÇÃO: Ações de combate ao trabalho infantil nas ruas de Belém

No Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil, o Tribunal de Justiça do Pará participou da “Blitz de Conscientização” na Praça da Bandeira, em Belém. A ação ocorreu em 40 pontos e atingiu cerca de 15 mil pessoas. 

Salvar imagem

 

 
https://ssl.gstatic.com/ui/v1/icons/mail/images/cleardot.gif
 
REPÓRTER: O motorista de ônibus Victor de Melo vestiu a camisa da campanha “Cartão Vermelho ao Trabalho Infantil”, promovida pelos órgãos que integram o sistema de Justiça. Victor comenta sobre a conscientização dos pais de crianças em situação de risco.
 
SONORA: Motorista, Victor de Melo.
 
“Tem que ter um incentivo dos pais colocarem as crianças na escola, estudar e nunca deixar a criança ir para a rua trabalhar. Quem tem que trabalhar, na minha opinião, são os pais para sustentar seus filhos, não colocar as crianças para batalhar e os pais ficarem em casa só usufruindo do bem e do melhor. Lugar de criança é na escola”.
 
REPÓRTER: No Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil, o Tribunal de Justiça do Pará participou da “Blitz de Conscientização” na Praça da Bandeira, em Belém. A ação ocorreu em 40 pontos e atingiu cerca de 15 mil pessoas. Na ocasião, foram distribuídas 500 cartilhas sobre o trabalho escravo e a exploração sexual de adolescentes, além de 500 informativos do Judiciário na Escola. Na ação, folhetos de prevenção ao trabalho infantil foram entregues dentro dos ônibus e nos semáforos, com as razões pelas quais as crianças não devem trabalhar. O juiz da 3ª Vara de Infância e Juventude de Belém, Vanderley de Oliveira, destaca que a campanha visa alertar a população sobre o combate ao trabalho infantil.
 
SONORA: Juiz da 3ª Vara de Infância e Juventude de Belém, Vanderley de Oliveira.
 
“Muitas crianças trabalham dentro do ônibus quando elas entram para poder vender bombom ou vender qualquer um outro produto e percebe que existe adultos que estão nos bastidores, seja família ou algum outro adulto que está utilizando esse trabalho infantil como forma abusiva, porque isso afronta diretamente o direito fundamental que é uma formação do desenvolvimento saudável da criança. Então, com esse impacto visual, a população vendo, isso vai criando um enfrentamento dessa cultura enraizada, no sentido da mudança dessa forma de pensar e de agir da sociedade”.
 
REPÓRTER: De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, o Brasil ainda possui mais de ​três milhões de crianças trabalhando entre cinco e 17 anos, sendo 198 mil no Pará, com maior concentração entre os jovens de 15 a 17 anos. Na “Blitz de Conscientização”, cerca de 20 adolescentes que cumprem medidas socioeducativas participaram da divulgação da campanha. O juiz da 2ª Vara de Infância e Juventude, Everaldo Pantoja, comenta os benefícios da ação para os jovens.
 
SONORA: Juiz da 2ª Vara de Infância e Juventude, Everaldo Pantoja.
 
“Esses adolescentes que estão aqui nos ajudando em divulgar essa campanha, eles estão vivenciando essa importância do jovem estar na escola, do jovem se educar, do jovem se profissionalizar. Então, eles mesmos estão se ajudando e perceberem a importância do basta e o não ao trabalho infantil”.
 
REPÓRTER: Neste sábado, 13 de junho, de oito e meia da manhã ao meio dia, a “Blitz de Conscientização” vai ocorrer em Outeiro. Ao longo da semana, a campanha “Cartão Vermelho ao Trabalho Infantil” também vai ser realizada em Santarém, Parauapebas, Marabá, Abaetetuba, Castanhal, Capanema e Limoeiro do Ajuru.
 
Reportagem, Thamyres Nicolau
 

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.