BELÉM: Judiciário Paraense homenageia 42 personalidades e assina termo de cooperação

A conselheira do Conselho Nacional de Justiça, Deborah Ciocci, foi umas das agraciadas com a medalha Grã-Cruz.

Salvar imagem

Tempo de áudio –

 
REPÓRTER: O Tribunal de Justiça do Pará realizou na noite do último dia 14, sexta-feira, na Igreja de Santo Alexandre, no complexo Feliz Lusitânia, em Belém, a cerimônia de outorga da medalha da Ordem do Mérito Judiciário aos quarenta e dois homenageados que se destacaram por contribuir para o desenvolvimento do Estado. Instituída pela Resolução nº 8 de 2005, a insígnia é outorgada por decisão unânime dos membros do Conselho da Ordem do Mérito Judiciário Paraense. A conselheira do Conselho Nacional de Justiça, Deborah Ciocci, foi umas das agraciadas com a medalha Grã-Cruz, ressalta seus sentimentos pelo reconhecimento do Tribunal de Justiça do Pará.
 
SONORA: Conselheira do CNJ, Deborah Ciocci.
 
Eu só tenho três palavras para exprimir meus sentimentos: a gratidão, respeito e generosidade. Gratidão a esse estado maravilhoso, tribunal maravilhoso, e respeito que eu já tinha e agora tenho mais, porque a gente percebe esse amor à justiça, dedicação, por isso que os paraenses estão indo longe, e generosidade, porque eu só atribuo essa honraria a generosidade do tribunal pra comigo”.
 
REPÓRTER: Na escolha dos homenageados, são considerados os inestimáveis serviços prestados ao povo e ao Estado do Pará. Em nome dos agraciados, o presidente do Tribunal de Justiça do  Rio de Janeiro (TJRJ), desembargador Luiz Fernando de Carvalho, comentou sobre a atuação do Poder Judiciário no Brasil e, sobretudo, no estado do Pará.
 
SONORA: Desembargador Luiz Fernando de Carvalho.
 
“O poder judiciário, presidente Constantino, saberá reafirmar o primado das tabuas da lei, o primado da constituição, o primado da carta da republica, a necessidade que nós temos e que nos é cobrada pela constituição é de afirmar que melhor não somos nós, melhores não somos nós, melhor é a nossa causa, melhor é a causa da justiça, da justiça que conduz a paz, a paz como substituto benevolente da justiça. Ao trabalhar pela pacificação social, o poder judiciário nada mais faz do que trabalhar pela paz que é o substituto benevolente da justiça”.
 
REPÓRTER: Em agradecimento, o presidente do TJPA, desembargador Constantino Augusto Guerreiro, destacou o trabalho do Poder Judiciário em apoio às mulheres vitimas de violência e ressaltou o projeto audiência de custodia.
 
SONORA: Presidente do TJPA, desembargador Constantino Guerreiro.
 
Ao instalar a audiência de custodia, essa audiência vai além da apresentação do juiz, pretende o tribunal de justiça com todas as suas parcerias elevar a dignidade da mulher, lá elas terão, não só a presença do juiz, como outros setores sociais do estado para ampara-las. E vendo hoje aqui, nessa solenidade as cadetes da policia militar com passo firme conduzindo a bandeira nacional e as medalhas, é isso que o poder judiciário almeja que nós e nossos parceiros conseguimos fazer essas mulheres ter dignidade e caminharem com passo firme, muito obrigado”.
 
REPÓRTER: As medalhas aos homenageados foram entregues pelos desembargadores do Conselho da Ordem do Mérito: des. Constantino Guerreiro, des. Ricardo Nunes, desa. Diracy Nunes Alves, desa. Maria do Céo Coutinho, desa. Maria Edwiges Lobato e desa. Edineia Tavares. Durante a outorga, o hino nacional foi entoado pelo servidor Samarone Lacerda, assim como as demais homenagens líricas e o hino do Pará.
 

Reportagem, Storni Jr.

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.