AGRONEGÓCIOS: Açúcar tem alta no exterior e pode ficar mais caro para consumidor, prevê economista

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação,

Salvar imagem

Tempo do áudio –2min29seg

REPÓRTER: A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, a FAO, divulgou relatório na semana passada, que apontou crescimento de mais de quatro por cento no preço do açúcar no mercado internacional, no mês de outubro, em relação aos valores comercializados em setembro. Segundo a FAO, a alta no preço do açúcar no exterior se deu por causa da diminuição da colheita da cana-de-açúcar nas regiões afetadas pela seca no Brasil, que é o maior produtor do mundo. O economista da Universidade de Brasília, Flávio Basílio, explica que o preço do açúcar pode ter alta também no mercado interno e ficar mais caro nas prateleiras.

SONORA: economista da UNB, Flávio Basílio

"A produção de açúcar no Brasil, ela pode ser feita  de duas formas ou o produtor vai produzir o açúcar ou ele pode substituir, por exemplo, e produzir álcool. Então, esse impacto de seca que afeta o produto no mercado internacional, principalmente o preço, ele força ainda mais o aumento doméstico porque também existe essa substituição que é facultada ao produtor entre produzir açúcar ou álcool."  

REPÓRTER: Para a economista e pesquisadora do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, o Cepea, da Universidade de São Paulo, Heloísa Burnquist, a indústria produtora de açúcar não deve simplesmente trocar a produção de açúcar por álcool. Mas, ela ressalta que o aumento dos combustíveis promovido pela Petrobras, de seis por cento para a gasolina e três por cento para o diesel, vai deixar o preço do álcool mais atrativo para o produtor e que a produção de açúcar pode sofrer queda a partir do ano que vem.

SONORA: economista do Cepea, Heloísa Burniquist

"Então isso daí pode sinalizar algum cenário um pouco mais positivo para o etanol e também, talvez, na definição do mixer, uma produção pouco menor de açúcar comparado com que a gente tem esse ano. Quando o mercado internacional escuta isso, pode ser que ele tenha alguma reação, mas isso seria só para o próximo ano."

REPÓRTER: O relatório da FAO revela ainda, que o preço do açúcar, mesmo tendo demonstrado alta em relação ao mês passado no mercado internacional, sofreu queda de mais de 10 por cento em comparação aos números do mês de outubro do ano passado. O relatório destaca, que a produção mundial de cereais em 2014 como arroz, trigo e soja deve sofrer queda de mais de um milhão de toneladas.

Reportagem, Cristiano Carlos

Continue Lendo



Receba nossos conteúdos em primeira mão.