IMPEACHMENT: Mentiroso é Cunha, diz Jaques Wagner. Ministro nega envolvimento de Dilma com barganha

Ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, confia na força da bancada governista na Câmara para impedir instauração do Impeachment 

SalvarSalvar imagem

ÚLTIMAS SOBRE POLÍTICA


REPÓRTER: O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, veio a público nesta quinta-feira, para rebater acusações feitas pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, contra presidente Dilma Rousseff. Pela manhã, Cunha disse em entrevista coletiva que a presidente havia tentado negociar troca de votos no conselho de Ética, que pode cassar o mandato de Cunha, por aprovação do projeto de Lei que cria a CPMF. De acordo com Eduardo Cunha, nesta quarta-feira, o deputado Federal André Moura, do PSC, de Sergipe, foi levado por Jaques Wagner a um encontro com Dilma. O deputado, ainda segundo Cunha, teria ouvido da presidente a proposta de barganha. Jaques Wagner acusou Eduardo Cunha de ser o único mentiroso sobre a barganha. O ministro admitiu que teve um encontro com o deputado André Moura, mas sem a presença de Dilma.  
 
SONORA: ministro da Casa Civil, Jaques Wagner
 
“Eu conversei com o deputado André Moura é verdade. A pauta única que ele trazia da parte do presidente sempre foi a questão do conselho de Ética. Quero reafirmar que, quem mentiu foi o presidente Eduardo Cunha. O André Moura não esteve ontem com a presidente Dilma. Teve comigo. Uma única vez”.
 
REPÓRTER: Sobre a possível instalação do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, o ministro Jaques Wagner, afirmou que o governo vai unir a bancada aliada para barrar o processo na Câmara dos Deputados. Para o ministro, a presidente Dilma não cometeu crime algum que possa ser usado para abertura de impeachment.   
 
SONORA: ministro da Casa Civil, Jaques Wagner
 
“Todo mundo sabe que não há dolo, que não há nenhum tipo de má fé, de nada errado com a presidente Dilma. O que eles estão arguindo, e nós vamos rebater, é o não atingimento da meta, que eu acho que, o próprio nome está dizendo. É a meta. O fato de não atingi-la, não pode ser caracterizado como crime de responsabilidade”.   
 
REPÓRTER: Nesta quarta-feira, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, do PMDB, do Rio de Janeiro, autorizou abertura de processo de impeachment contra a presidente Dilma. Se, o processo for aprovado no Congresso, a presidente vai ter que deixar o cargo por 180 dias. Nesse caso, o vice-presidente, Michel Temer, assumiria a presidência.

Reportagem, Cristiano Carlos 

Receba nossos conteúdos em primeira mão.