ATLETISMO: Para Ricardo de Oliveira, aceitar deficiência é caminho para superação

SalvarSalvar imagem

REPÓRTER: Aceitar a própria deficiência não é fácil, mas é o primeiro passo para a superação. É nisso que acredita o atleta Ricardo de Oliveira, que conquistou o primeiro ouro do Brasil nas Paralimpíadas Rio 2016, no salto em distância, na categoria T11, para cegos totais.

SONORA: Ricardo de Oliveira, atleta paralímpico

“Eu fiz da minha deficiência o meu melhor inimigo, que vai me acompanhar por tempo indeterminado. Eu não pus uma dificuldade na minha visão. Eu aceitei e as coisas vieram a meu favor, a partir do momento que eu aceitei”.

REPÓRTER: Na prova realizada nesta quinta-feira (8), Ricardo estava atrás do recordista mundial, Lex Gillette, dos Estados Unidos. Mas, no último salto, superou a sua marca e venceu a prova com a distância de 6 metros e 52. A plateia foi ao delírio. Para Ricardo, o apoio da torcida foi essencial para a conquista do ouro.

SONORA: Ricardo de Oliveira, atleta paralímpico

“Eu fiquei muito emocionado. Eu agradeço a todos que torceram por mim, me ajudaram muito. E me deixou mais ‘vamos, vamos’, com aquela pegada de brasileiro. Eu falei: ‘vamos lá que é nós’.”

REPÓRTER: Com dois anos de idade, Ricardo já tinha dificuldade para enxergar. Em 1996, descobriu que tinha uma doença chamada Stargardt, que estava em estágio avançado, e acabou por deixá-lo cego total. Ricardo começou no esporte com corridas de rua e depois passou para as provas de pista de atletismo. Competiu pela primeira vez internacionalmente no ano passado, no Mundial de Doha, no Catar.

Reportagem, Bruna Goularte

 

Receba nossos conteúdos em primeira mão.